Resenha | O Mágico de OZ

Hoje eu vim falar pra vocês de um clássico da literatura infantil. O Mágico de OZ era um dos meus livros preferidos quando eu era pequena, então esse mês, para refrescar a história na minha memória e relembrar um pouquinho, resolvi reler a história da menina Dorothy.
30747006

Sinopse: “Quando estava na metade do caminho, ouviu-se um grito fortíssimo do vento e a casa sacudiu com tanta força que Dorothy perdeu o equilíbrio e caiu sentada no chão. E então uma coisa muito estranha aconteceu. A casa rodopiou duas ou três vezes e começou a levantar voo devagar, Dorothy teve a sensação de que subia no ar a bordo de um balão.” Um ciclone atinge a casa onde Dorothy vive com os tios e ela e seu cachorro Totó são levados pela ventania e param na Terra de Oz. Por lá, Dorothy faz novos amigos – o Espantalho, o Lenhador de Lata e o Leão Covarde -, encara perigos, vive histórias fantásticas e precisa enfrentar seus próprios medos. Depois de tantas aventuras, a menina descobre que seus Sapatos de Prata têm poderes mágicos e podem levá-la para qualquer parte. Mas não existe melhor lugar no mundo do que a própria casa.

O Mágico de OZ é considerado um livro infantil, portanto obviamente é uma leitura muito leve e rápida, além de possuir personagens divertidos e de não possuir nenhum trecho pesado ou violento.

Essa edição do livro é ilustrada, e mesmo se vocês optarem por realizar a leitura online, como eu fiz, vão poder ver os desenhos e dar algumas boas risadas.

Eu finalizei a leitura das aventuras de Dorothy e seus amigos em um dia, ou seja, vale muito a pena para reviver aqueles sentimentos de infância que não sentimos a tanto tempo.

ps: eu não lembrava que o final era tão vago e tão diferente do final do filme, podiam ter caprichado só um pouquinho mais, né? hahah

Nota 5/5

Anúncios

E se não houver um amanhã?

 

5b61033e7fffeab1abacc2f54f18b45f.jpgVocês já ouviram a frase “os piores dias da semana são os cinco depois do domingo?”.

Nós vivemos sob a cultura do viver para trabalhar, das 24h que nos são concebidas diariamente, 10 são passadas no trabalho, em média duas são gastas no caminho de ida e volta para o trabalho, e no melhor dos casos nos sobram exatamente 12 horas, metade do nosso dia, para descansar, fazer algo que gostamos, viver a vida.

Porém a realidade da grande maioria é diferente. Estudantes adicionam 4 horas de estudos ao calculo. Agora temos 6 horas sobrando, e o que fazemos em 6 horas, sendo que ainda nem dormimos as 8 horas de sono recomendadas diariamente?

É esse acumulo de compromissos, horários, acordar, trabalhar, estudar, dormir e repetir que nos faz acordar pensando em quanto tempo falta pra dormir, nos faz reclamar todos os dias e ansiar pelos finais de semana.

Uma coisa que eu aprendi durante os anos foi a viver o momento, aproveitar o que a vida me da e nunca viver apenas pelo futuro e pelo que eu supostamente terei quando ele chegar. Viver o verão ansiando o inverno e o inverno ansiando o verão, não fará o verão ser menos quente, ou o inverno ser menos frio.

Reclamar do seu trabalho só vai faze-lo parecer pior do que já é. Se você não planeja sair dele tão cedo, tente ver os pontos positivos. Por que você aceitou trabalhar lá pra começar? Se você odeia estudar, provavelmente deveria trocar de curso, mas se só acha a experiência cansativa e quer se formar logo, pense que quando se formar provavelmente irá querer voltar, assim como se sentiu com o ensino fundamental e com o ensino médio.

O tempo voa. A gente quer que voe, mas quando percebe que ele voa, se assusta. Se assusta com a idade passando, com experiências que ainda estão frescas na nossa mente, mas aconteceram a mais de três anos, a gente se assusta, e com razão.

Vamos aproveitar cada dia como se fosse o último? Viver o hoje e não viver pelo amanhã? A gente nem sabe se o amanhã vai chegar, então vamos viver o hoje. Amar hoje, fazer aquela coisa nova hoje, ler aquele livro hoje, abrir aquele negócio hoje.

Tudo que nós temos é o hoje. Aproveite.

Review | The OA (Parte II)

84 anos depois…

Foi assim que eu me senti esperando pela segunda temporada de The OA. Por um breve momento eu até pensei que a série havia sido cancelada, porque eu não sei vocês, mas eu nunca vi uma série ter um intervalo de três anos entre uma temporada e outra.

Mas por bondade divina ela não foi cancelada, e a segunda temporada veio, para explodir nossos cérebros e nos deixar secos por mais uma temporada.

Vou começar indicando a todos que ainda não assistiram a 2ª temporada, que reassistam a 1ª antes de tudo, pois mesmo achando que não, acabamos esquecendo MUITOS detalhes da 1ª que serão muito significativos na 2ª. Feito? Então vamos continuar.15A segunda temporada se divide em duas dimensões. A nova dimensão onde Prairie se reencontra com seu sequestrador e seus colegas de cela, inclusive Homer, e onde centenas de novos mistérios aparecem e devem ser resolvidos. E a antiga dimensão, nossa dimensão, onde o grupo de cinco pessoas que a ajudou na viagem segue em uma busca implacável para ajuda-la, mesmo estando literalmente em dimensões diferentes.

Na nova dimensão somos apresentados a uma Nina Azarova, que vive na melhor cidade do mundo, vulgo San Francisco, e é envolvida em todo tipo de esquema insano. Digamos que a Nina, ou como eu prefiro chamar, Prairie 2.0 versão rica e poderosa, esta muito mais por dentro e no controle de todos os experimentos psiquiátricos e sobrenaturais, do que nossa Prairie estava.

No início da temporada já somos introduzidos a um novo personagem, Karim, um detetive particular que esta em busca de uma menina desaparecida, Michelle Wu (também conhecida por nós como Buck, só que versão menininha). Nessa busca, Karim acaba se envolvendo em um esquema sinistro envolvendo um jogo que supostamente ou enlouquece os seus jogadores, ou os mata. E é ai que a história muda totalmente de proporção.

No inicio da temporada nos sentimos meio divididos, pois existem muitas histórias e núcleos de personagens paralelos para acompanhar, mas com o passar dos episódios, coisas começam a se conectar, e é isso que nos torna dependentes de respostas, como se tivéssemos uma sede incontrolável pra saber como cada história vai se conectar na próxima.

Já conhecemos Prairie Johnson muito bem, mas quem é Nina Azarova? É uma experiência incrível acompanhar o conhecimento de Prairie e Nina, e ver como elas ficam ainda mais fortes juntas.

Entre mansões transformadas em labirintos, jogos que prendem crianças no interior de casas e as fazem enlouquecer, viagens entre dimensões, projetos de analise de sonhos, polvos que veem o futuro e outras mil histórias completamente absurdas, mas que de alguma forma se encaixam e fazem sentido, a segunda temporada de The OA foi uma das coisas mais prazerosas que eu já assisti na vida.

Só digo mais uma coisa: não se assustem com os episódios de 1 hora. VALE A PENA CADA SEGUNDO, eu prometo!

NOTA: 1000/1000!

Review | Megarrromântico (Isn’t it romantic)

3253619

Sinopse: Natalie (Rebel Wilson) é uma jovem arquiteta bastante cética em relação ao amor, que se empenha para ser reconhecida por seu trabalho. Um dia, ao saltar do metrô, ela é assaltada em plena estação e, ao reagir, acaba batendo com a cabeça em uma pilastra. Ao despertar em um hospital, ela descobre que, misteriosamente, foi parar dentro de um filme de comédia romântica.

Crítica COM SPOILER: SIM! Ela acorda dentro de uma comédia romântica, exatamente o gênero de filme que ela odeia tanto. Como em qualquer romance clássico, sua vida vira um mar de rosas. O hospital é decorado, não existe poluição visual e nem sonora, as pessoas são lindas, bem vestidas e simpáticas o tempo todo, e até mesmo sua melhor amiga do trabalho vira sua rival, pois como ela mesma diz, ISSO É TÃO CLICHÊ.

Em certo momento do seu ‘pesadelo’, ela percebe que deve fazer alguém se apaixonar por ela para poder acordar, e essa é a minha parte preferida do filme, não a parte em que ela conquista o bonitão do Blake (Liam Hemsworth, marido da Miley haha), e nem a parte em que ela se da conta de que seu melhor amigo sempre a amou, mas sim a parte em que ela descobre que o propósito daquilo tudo era ela amar a si mesma.

Isn’t that romantic? 

isnt-it-romantic-2019Entre cantorias e danças aleatórias, Megarrromântico valeu muito mais do que a 1 hora e meia que eu investi nele, sim, SÓ 1 hora e meia de duração, mais curto que um episódio de GOT haha

Além de nomes como Rebel Wilson e Liam Hemsworth, também podemos nos esbaldar com a beleza da Priyanka Chopra e o senso de humor único do Adam DeVine.

Nota 5/5 

(eu amo comédias românticas, respeitem haha)

Review | Boneca Russa

eucv0GyeoIcVEbpBIRK3BKQn4uZEsqueça tudo que você sabe sobre filmes e séries onde o protagonista é forçado a reviver centenas de vezes o dia de sua morte, pois essa série não se compara a nada já criado pelo ser humano!

Eu precisava começar esse review quebrando o estigma que pode levar muitas pessoas a deixar essa série de lado e não dar uma oportunidade para o que ela pode nos oferecer. Eu mesma quando li o resumo e vi que se tratava de uma série sobre uma mulher que revivia o dia da sua morte várias vezes, pensei que seria apenas mais um clichê como os filmes Antes Que Eu Vá e A Morte Te Da Parabéns, porém me surpreendi já no primeiro episódio.

Boneca Russa conta a história da melhor personagem fictícia da vida, Nadia, que morre no dia do seu aniversário. Até ai tudo bem, ela passa alguns episódios achando que esta sob o efeito de drogas, morre, morre de novo, até que um dia o estranho acontece: ela conhece um cara que esta passando pela mesma coisa que ela.

E é a partir dai que a trama muda totalmente de figura. Os dois embarcam juntos em uma ‘jornada’ maluca, hilária e dramática, para descobrir qual o propósito de tudo aquilo e o que um significa na vida do outro.

A série contem 8 episódios e acredite, você não vai conseguir parar de assistir quando começar. Em alguma parte do último episódio você vai se encontrar de queixo caído, falando UAU a cada 5 segundos, sem brincadeira. A série é como eu costumo dizer, ‘mind blowing’.

Eu amei demais da conta essa série, e indico pra vocês com a total certeza de que todo mundo vai amar, sério, não tem como não amar, é DEMAIS!

Obs: se você gosta de Orange Is The New Black vai ver alguns rostos bem familiares, começando pela protagonista.

Nota: 5/5

 

Resenha | Frankenstein

Primeiramente gostaria de pedir perdão a todos os fãs dos livros clássicos, mas ler livros com vocabulário culto demais simplesmente me da nos nervos e eu não consigo apreciar a leitura da forma como gostaria. A leitura não foi tão rápida quanto poderia ter sido, e eu confesso que em momentos tive que reler páginas inteiras após finalizadas por falta de compreensão, mas no final creio que tenha valido a pena.frankenstein_comentado_0.jpg

 

 

Resumo: Frankenstein é o primeiro clássico da literatura de horror.  A autora tinha dezenove anos quando o escreveu em 1818. É a história de um estudante de mesma idade – Victor Frankenstein – que constrói uma criatura horrenda. Ao despertar para ao mundo, o monstro se vê rejeitado por todos. Daí sua tragédia e a terrível vingança que imporá ao seu criador.

 

 

Como vocês já sabem, o primeiro livro que eu li esse ano foi um livro baseado no clássico Frankenstein, e como eu amei a história em questão, resolvi ler o clássico em seguida.

Vou começar dizendo algo que com certeza será muito julgado, que é o fato de eu ter gostado muito mais do livro derivado, Uma Obsessão Sombria, do que do original.

A história não é ruim, não me levem a mal, a trama é tão boa quanto imaginei que fosse, assim como os personagens, e as descrições são super bem detalhadas do jeitinho que eu gosto. Porém, entretanto, todavia, como eu disse anteriormente, o uso excessivo de vocabulário culto me deixa até meio zonza as vezes. Pode ser ignorância minha? Pode. Porém não gosto e é isso.

Também pode ser pelo fato de ter lido o outro livro antes, mas achei que faltou um ‘que’ de misticismo, de magia, de alquimia, faltou um toque de empolgação e ação na história. Eu já sabia que a origem do DR. Frankenstein contada no livro Uma Obsessão Sombria não tinha nada a ver com a realidade contada em Frankenstein, mas eu esperava que a realidade fosse pelo menos 1/3 tão legal, envolvente e empolgante quanto foi a falsa.

Tirando todos esses detalhes pequenos e comparações a parte, fiquei muito feliz de ter finalmente lido um clássico da literatura, e por ter, mesmo com certa dificuldade, entendido toda a história em sua essência original.

Recomendo muito a leitura desse livro para quem, assim como eu, só conhece o básico sobre Frankenstein, ou só viu os filmes, e não sabe realmente sobre o que se trata.

OBS: O monstro tem um lugar especial reservado no meu coração, e caso alguém o odeie, vocês não podem viver no mesmo planeta que eu, sinto muito. É isso. E o Victor Frankenstein é um babaca.

 Nota: 2,5/5

Review | Tonalizante Keraton Cobre ruivo natural

Olá meus amores, tudo bem com vocês? Hoje eu vim compartilhar com vocês o primeiro tonalizante que eu tive o prazer de testar desde que comecei a minha saga ruiva e a minha opinião sobre o mesmo.

Se você é ruiva de farmácia, como eu, você sabe que existem as mais diversas marcas de tonalizante ruivo no mercado. Outros tonalizantes, além do Keraton, também considerados bons são esses:

  • Ruivosa, Lola Cosmetics (em média 35, 40 reais)
  • Os diversos tons da marca Kamaleão (venda exclusiva online, em média 35 reais)
  • C. Kamura conhaque (em média 25 reais)

Geralmente você só encontrará esses tonalizantes em lojas especializadas em produtos de cabelo e não em farmácias normais. Eu encontrei o Keraton em duas lojas da minha cidade, na primeira paguei R$29,90, já na segunda consegui comprar por RS19,90, então o preço varia.

Como vocês podem ver no vídeo abaixo, na primeira utilização eu misturei o tonalizante com creme branco para render mais, porém eu gostei mais do resultado tonalizando com o produto puro.

No vídeo eu mostro o passo a passo muito simples de como aplicar o tonalizante, lembrando sempre que tonalizante não é tinta, não possui muitos químicos e portanto não ira cobrir nem tingir suas raízes naturais.

Rendimento: 2 aplicações

Duração: em média 6 lavagens, mas pra mim mesmo depois de mais lavagens o cabelo ainda continuou laranjinha e não ficou aquele amarelo/verde feio

Preço: vale a pena, acho que é o tonalizante mais em conta considerando o preço