Resenha | Como eu era antes de você

E como leitura do mês quatro, eu escolhi nada mais, nada menos do que o livro Como Eu Era Antes de Você.

Vocês todos já devem ter ouvido falar da história de Will Traynor e Louisa Clark, já que ambos foram interpretados recentemente em um filme de Hollywood pelos belíssimos Sam Clafin e Emília Clarke.

imagemResumidamente, o romance tem como protagonista a jovem de 26 anos, Louisa Clark. Louisa mora com os pais, a irmã mais nova, o sobrinho e o avô que precisa de cuidados especiais desde que teve um derrame. Acostumada com a vida de cidade pequena, com os limites impostos pela falta de dinheiro e com seu emprego em um café local que mal paga o que comer, Lou se pega em uma situação um tanto quanto difícil quando o café onde trabalha fecha as portas, e ela entra no competitivo mercado de trabalho pela primeira vez na vida, sem experiências e sem qualificações.

O fato de não ter qualificações acaba levando Louisa a um emprego como cuidadora de um tetraplégico. Com seus surpreendentes 35 anos, Will Traynor é inteligente, rico, meio mal-humorado, mas principalmente EXTREMAMENTE BONITO (pode não ser tanto, mas eu imaginei ele o próprio Sam Clafin, então né haha).

Impossibilitado de retomar sua vida após sofrer um acidente de moto, Will desconta toda sua amargura e desprezo pela vida em quem estiver ao seu redor. A vida parece sem sentido para ele até a alegre e espalhafatosa Lou entrar na sua vida, trazendo cor e até mesmo uma felicidade que antes ele não imaginou ser capaz de sentir.

O que nem Will, nem Lou sabem, é o quanto um vai influenciar na vida do outro. O que era para ser apenas um emprego temporário de 6 meses, acaba se tornando os melhores 6 meses da vida de ambos.

Um romance de cortar o coração, Como Eu Era Antes de Você me trouxe momentos de felicidade e também me desafiou milhares de vezes a segurar o choro porque eu estava lendo no trabalho haha Com personagens de personalidade forte e um enredo muito bem desenvolvido, valeu cada uma das 329 páginas de leitura.

ps: o livro tem sequência e eu já estou ansiosa para continuar a leitura.

Nota 5/5 ❤

 

Anúncios

Resenha | O Mágico de OZ

Hoje eu vim falar pra vocês de um clássico da literatura infantil. O Mágico de OZ era um dos meus livros preferidos quando eu era pequena, então esse mês, para refrescar a história na minha memória e relembrar um pouquinho, resolvi reler a história da menina Dorothy.
30747006

Sinopse: “Quando estava na metade do caminho, ouviu-se um grito fortíssimo do vento e a casa sacudiu com tanta força que Dorothy perdeu o equilíbrio e caiu sentada no chão. E então uma coisa muito estranha aconteceu. A casa rodopiou duas ou três vezes e começou a levantar voo devagar, Dorothy teve a sensação de que subia no ar a bordo de um balão.” Um ciclone atinge a casa onde Dorothy vive com os tios e ela e seu cachorro Totó são levados pela ventania e param na Terra de Oz. Por lá, Dorothy faz novos amigos – o Espantalho, o Lenhador de Lata e o Leão Covarde -, encara perigos, vive histórias fantásticas e precisa enfrentar seus próprios medos. Depois de tantas aventuras, a menina descobre que seus Sapatos de Prata têm poderes mágicos e podem levá-la para qualquer parte. Mas não existe melhor lugar no mundo do que a própria casa.

O Mágico de OZ é considerado um livro infantil, portanto obviamente é uma leitura muito leve e rápida, além de possuir personagens divertidos e de não possuir nenhum trecho pesado ou violento.

Essa edição do livro é ilustrada, e mesmo se vocês optarem por realizar a leitura online, como eu fiz, vão poder ver os desenhos e dar algumas boas risadas.

Eu finalizei a leitura das aventuras de Dorothy e seus amigos em um dia, ou seja, vale muito a pena para reviver aqueles sentimentos de infância que não sentimos a tanto tempo.

ps: eu não lembrava que o final era tão vago e tão diferente do final do filme, podiam ter caprichado só um pouquinho mais, né? hahah

Nota 5/5

Resenha | Frankenstein

Primeiramente gostaria de pedir perdão a todos os fãs dos livros clássicos, mas ler livros com vocabulário culto demais simplesmente me da nos nervos e eu não consigo apreciar a leitura da forma como gostaria. A leitura não foi tão rápida quanto poderia ter sido, e eu confesso que em momentos tive que reler páginas inteiras após finalizadas por falta de compreensão, mas no final creio que tenha valido a pena.frankenstein_comentado_0.jpg

 

 

Resumo: Frankenstein é o primeiro clássico da literatura de horror.  A autora tinha dezenove anos quando o escreveu em 1818. É a história de um estudante de mesma idade – Victor Frankenstein – que constrói uma criatura horrenda. Ao despertar para ao mundo, o monstro se vê rejeitado por todos. Daí sua tragédia e a terrível vingança que imporá ao seu criador.

 

 

Como vocês já sabem, o primeiro livro que eu li esse ano foi um livro baseado no clássico Frankenstein, e como eu amei a história em questão, resolvi ler o clássico em seguida.

Vou começar dizendo algo que com certeza será muito julgado, que é o fato de eu ter gostado muito mais do livro derivado, Uma Obsessão Sombria, do que do original.

A história não é ruim, não me levem a mal, a trama é tão boa quanto imaginei que fosse, assim como os personagens, e as descrições são super bem detalhadas do jeitinho que eu gosto. Porém, entretanto, todavia, como eu disse anteriormente, o uso excessivo de vocabulário culto me deixa até meio zonza as vezes. Pode ser ignorância minha? Pode. Porém não gosto e é isso.

Também pode ser pelo fato de ter lido o outro livro antes, mas achei que faltou um ‘que’ de misticismo, de magia, de alquimia, faltou um toque de empolgação e ação na história. Eu já sabia que a origem do DR. Frankenstein contada no livro Uma Obsessão Sombria não tinha nada a ver com a realidade contada em Frankenstein, mas eu esperava que a realidade fosse pelo menos 1/3 tão legal, envolvente e empolgante quanto foi a falsa.

Tirando todos esses detalhes pequenos e comparações a parte, fiquei muito feliz de ter finalmente lido um clássico da literatura, e por ter, mesmo com certa dificuldade, entendido toda a história em sua essência original.

Recomendo muito a leitura desse livro para quem, assim como eu, só conhece o básico sobre Frankenstein, ou só viu os filmes, e não sabe realmente sobre o que se trata.

OBS: O monstro tem um lugar especial reservado no meu coração, e caso alguém o odeie, vocês não podem viver no mesmo planeta que eu, sinto muito. É isso. E o Victor Frankenstein é um babaca.

 Nota: 2,5/5

Resenha | Uma Obsessão Sombria

Começando o meu desafio de ler ao menos um livro por mês em 2019, terminei janeiro finalizando a leitura do livro Uma Obsessão Sombria, e é claro, não poderia deixar de compartilhar com vocês o que eu achei da história.

imagem

 

Sinopse: Nesse livro, baseado na clássica novela de terror de Mary Shelley, Frankenstein, conhecemos o jovem Victor, que depois se tornaria o cientista que deu vida à famosa criatura. A história começa quando, aos 16 anos, ele entra numa viagem sinistra que mudará sua vida para sempre. Abalado pela doença misteriosa e incurável de seu irmão gêmeo, Victor se deixa levar pelo mundo perigoso da alquimia e sai em busca de ingredientes nada convencionais, mas que teriam o poder de criar o Elixir da Vida. Victor sabe que não pode falhar. Mas ele não imagina o quanto precisara sacrificar em nome dessa empreitada.

Eu confesso que encontrei esse livro perdido pela biblioteca da empresa e só optei por lê-lo pois estava completamente entediada em uma segunda-feira qualquer. E graças a Deus.

Que história, amigas e amigos. Eu, como boa amante de ficção, devorei o livro em questão de dias e AMEI do inicio ao fim. Com personagens incríveis, muita aventura, suspense e até mesmo romance e triângulos amorosos, eu posso garantir que Uma Obsessão Sombria é um livro que vale a pena entrar para a sua lista de leitura.

Eu amei tanto o enredo e a história dos Frankenstein que comecei a leitura do original assim que possível e também estou amando. Recomendo ambos e logo, logo teremos resenha desse aqui no blog também!

Sem mais delongas, recomendo a leitura para todo amante de ficção ou amantes do clássico Frankenstein. É uma leitura leve, sem enrolações, super fluída e muito envolvente.

Nota: 4/5

Resenha | Um Homem de Sorte

livro-um-homem-de-sorte-nicholas-sparks-edico-antiga--D_NQ_NP_752347-MLB27915171723_082018-F    

 

 

Sinopse: Logan Thibault volta da guerra do Iraque com a certeza de que seu talismã durante o conflito foi a fotografia de uma mulher que ele não conhece. Ele se aproxima dela sem lhe contar a verdade e se envolve em sua vida e com sua família.

 

 

UM DOS MELHORES ROMANCES QUE EU JÁ LI NA VIDA! Sem mais. Um Homem de sorte foi mais um livro aleatório que achei na pequena biblioteca da empresa e resolvi dar uma chance, amém biblioteca da empresa haha

Nunca fui muito fã de livros de romance, mas agora descobri que era unicamente porque nenhum outro livro era como esse. Nicholas Sparks conseguiu se superar novamente, criando uma história imprevisível, cheia de suspense, amor, química e com uma trama super fluída e leve. A narração da história é dividida entre três personagens: Logan, Beth e Keith, respectivamente o mocinho, a mocinha e o vilão, e isso nos da a chance de nos conectarmos com todos os personagens em níveis diferentes e conhece-los de diferentes pontos de vista. Um Homem de Sorte é muito mais um romance família do que um romance homem/mulher, abordando durante a história a relação entre Logan, Nana e Ben, a avó e o filho de Beth, e os problemas familiares rodeando a guarda do Ben e sua relação com o pai, Keith, e sua família.

Esse é um livro leve, envolvente e que eu com certeza recomendo para todos os amantes de literatura.

OBSERVAÇÃO: Não deixem a PÉSSIMA adaptação do livro para o cinema lhes enganar. Aquele filme é totalmente sem pé nem cabeça e nem deveria levar o mesmo nome do livro. Dito isso, espero que tenham uma ótima leitura haha

Nota: 5/5

Resenha + Crítica: O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares

Hello meus amores! Tudo bem com vocês? Hoje eu venho com MUITA MUITA MUITA alegria trazer pra vocês, finalmente, a resenha de um dos meus livros favoritos de todos os tempos: O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares!

Como eu me enrolei demais pra gravar essa resenha, já resolvi esperar a estreia do filme e gravar a crítica do filme, tudo junto em um pacote só, então no vídeo abaixo vocês vão poder ver tudo isso de uma vez, espero que vocês gostem!

Não se esqueçam de deixar um like no vídeo e se inscrever no canal se ainda não é inscrito!

 

Eu li: Convergente (Veronica Roth)

convergente1Ola, tudo bem com vocês? Eu espero que sim, porque comigo não esta.

A exatos dez minutos atrás (no dia em que escrevi essa resenha, no caso, dia 14) terminei a leitura do livro que eu mais demorei pra ler na vida. Foram 4 meses abrindo na página 448 e fechando novamente depois de ler alguns parágrafos. Por que? Nunca descobriremos ao certo, mas provavelmente eu estava tentando fugir da dor evidente que eu sabia que o final desse livro me faria sentir. E da tristeza que ele podia acarretar.

Começando do princípio, Convergente é o terceiro e último livro da trilogia Divergente, da qual dois livros, Divergente e Insurgente, já ganharam adaptações para o cinema.

A saga conta a história de Beatrice “Tris” Prior, que vive em uma cidade divida em facções, na qual cada facção exerce uma atividade diferente. Você pode saber mais detalhes sobre os início da história lendo as resenhas (digamos assim, bem antiguinhas) de Divergente e Insurgente.

Enfim, indo para o que realmente importa. Quero começar dizendo que eu sempre achei os três livros da saga muito parecidos, e a não ser por alguns fatos isolados eu poderia perfeitamente confundir um com o outro.

O terceiro livro foca no fim das facções, no início da ditadura dos sem facções e da guerra contra os Leais às facções. Mostra finalmente o que existe do lado de fora dos muros e se eles realmente são os únicos seres humanos que sobraram da guerra.

Depois de anos vivendo com a divergência entre eles, Tobias e Tris finalmente descobrem o que realmente significa ser divergente e o que os faz diferentes de todos os outros.

O livro é sofrido e dolorido do início ao fim, com uma enfase gritante de sofrimento, angustia, desespero, dor e lágrimas a partir da página 490. Entre todas as perdas, todos os momentos ruins que já passamos ao lado dos protagonistas nos dois livros anteriores que só serviram pra nos mostrar como a vida pode ser pior do que ela realmente é, conseguimos superar tudo isso no último livro.

Mas não se desanimem, porque migrando para a nova coleção, Quatro, o final nos guia para um mundo melhor, onde o sol vai brilhar finalmente e iluminar o caminho dos nossos personagens queridos, que nunca tiveram uma demonstração da verdadeira felicidade. No fim, descobrimos que a vida, mesmo com toda a dor e o sofrimento, vale a pena ser vivida, e que não importa o quão destroçado você esta, sempre há tempo de seguir em frente e se reconstruir.

Eu levei 4 meses pra finalizar a leitura, e confesso que não me arrependo, tive tempo pra digerir o que eu já sabia que estava por vir, tempo pra chorar e abraçar o livro quando ele finalmente acabou.

A trilogia Divergente foi de forte impacto na minha concepção de vida, me fez enxergar que não importa qual seja o problema pelo qual estejamos passando, não é tão ruim assim, e pelo menos temos as pessoas que amamos ao nosso redor, em um mundo o mais próximo do justo possível, onde pelo menos achamos que sabemos tudo que nos cerca e não somos privados de nada.

Obrigado Veronica Roth, por me fazer chorar com mortes incessáveis, fique bem claro que te odeio por ser tão fria e calculista, e por não se importar com o coração dos leitores. Obrigado por nos permitir entrar na sua mente, e conhecer a Tris, o Tobias, a Cara, o Zeke, o  Uriah, o Peter, o Caleb, a Evelyn, a cidade de Chicago com suas facções. Obrigado por nos permitir conhecer esse mundo incrível que antes só existia dentro da sua mente.

Se eu recomendo Convergente pra vocês? Sim, é claro, mas vão com calma, desacelerem, leiam um livro em janeiro, o outro em julho e deixe Convergente lá pra dezembro. E ai tudo ficará bem hahah

Beijos!

 

ps: eu gostaria de ter tirado fotos mais elaboradas, mas terminei o livro anteontem e ontem no meio da tarde tive que sair de surpresa e tirei as fotos na corrida. Sorry 😦