Assistidos dos últimos meses

Nesses últimos três meses sem postar nada por aqui, eu assisti muita série e muito filme. Acho que o que me fez deixar um pouco de lado os reviews aqui do blog foi um dos mais novos quadros do canal, o de Assistidos do Mês.

Lá no canal, eu venho postando mensalmente um vídeo falando um pouco sobre todas as coisas que eu assisti no mês (ou quase todas). Hoje, eu decidi compartilhar esses vídeos aqui com vocês, mas nos próximos dias, voltarei a postar minhas opiniões por aqui. Sinto falta de escrever sobre assuntos que eu realmente gosto e que me dão prazer.

Então vamos lá!

Setembro e Outubro/2019

Novembro/2019

Dezembro/2019

Janeiro/Fevereiro 2020

Espero que vocês gostem dos vídeos e se preparem para os reviews que estão oficialmente de volta!

Review | Campo do Medo (In the Tall Grass)

MV5BZjA2ZWU3N2MtY2JkYy00YjFjLWEyZWQtMjQ0MTU0NDk1ZTZmXkEyXkFqcGdeQXVyMTkxNjUyNQ@@._V1_Sinopse: Dois irmãos são surpreendidos após escutarem pedidos de socorro vindos do interior de um matagal no Kansas. Eles decidem atender os chamados de ajuda e entram no local. No entanto, logo descobrem que uma vez lá dentro é impossível sair.

Depois de muito tempo sem postar uma crítica de filme ou série para vocês (como a crítica de cinema renomada que sou), estou aqui hoje para falar de um filme original da Netflix. In The Tall Grass, traduzido para Campo do Medo no Brasil, é um filme de terror sobrenatural lançado em outubro de 2019.

O filme definitivamente cumpre o seu papel de dar alguns sustos e causar um certo pânico em quem assiste, mas poderia ser melhor.

Campo do Medo é um daqueles filmes que você pensa “por que eu estou assistindo isso? Será que posso parar na metade?” diversas vezes. Além de ter uma história e uma linha do tempo completamente confusa (estilo Dark, mas não tão bem explicada), o filme ainda causa muito mais agonia e angustia do que medo.

Depois de algumas discussões sobre o conteúdo do longa, cheguei a conclusão de que não, não é um filme completamente ruim. Ele traz uma abordagem diferente do que a maioria dos filmes de terror vem trazendo nos últimos tempos, surpreende, e por isso pode parecer fraco quando avaliado por cima, por fugir muito dos padrões que conhecemos.

Em um resumo da ópera, não daria uma nota 10 ou uma estrela de ouro para esse filme, mas com certeza indico para os amantes de filmes de terror (o que não é meu caso), e para as pessoas que gostam de um bom quebra-cabeças em forma de filme.

Nota: 5/10

Review | O Mínimo para Viver (To the bone)

to the boneNão deixe a música animada do trailer te enganar, esse filme vai ser uma experiência em um mundo desconhecido para a maioria de nós, um tanto quanto sombrio. E vai ser a oportunidade perfeita para refletir sobre como somos sortudos de acordar e viver todos os dias.

To The Bone, em português, O Mínimo Para Viver, conta a história da jovem Ellen (Lily Collins), uma garota que, aos 20 anos, luta contra a anorexia.

Durante os 107 minutos de filme, temos muitas chances de criar um antagonismo pela protagonista, que desde o primeiro momento se mostra relutante, teimosa ao extremo e um tanto quanto ignorante quando se trata das pessoas que querem ajuda-la. Mas, felizmente, com o tempo conseguimos entender melhor os dois lados da moeda e desenvolver uma afeição pela garota.

Quando Ellen não sabe mais para onde correr, ou o que fazer para se curar, ela é enviada a uma das clínicas de recuperação para jovens com distúrbios alimentares mais popular dos EUA, onde fica aos cuidados do Dr. William Beckham (Keanu Reeves). Lá, conhecemos personagens incríveis como o jovem Luke (Alex Sharp), que não poupa esforços para fazer a mocinha melhorar.

Com altos e baixos, acompanhamos a evolução não apenas da Ellen, mas também de todos os jovens que vivem na clínica. Acompanhamos dramas familiares que visivelmente afetam na saúde dos jovens, além de aprendermos de uma forma completamente diferente a valorizarmos o que temos.

Esse filme foi uma surpresa pra mim, fiquei impressionada em como ele aborda de uma forma madura um assunto tão sério quanto os distúrbios alimentares. Eu com certeza indico ele pra todos vocês!

Resenha | Todo Dia a Mesma Noite – a história não contada da boate Kiss

IMG_0088A dor e o luto são sentimentos que, quando traduzidos da forma correta, podem nos transportar para os piores lugares.

É com essa afirmação que eu preciso começar a resenha da minha quinta leitura do ano. O livro Todo Dia a Mesma Noite – a história não contada da boate Kiss, foi uma das experiências literárias mais intensas e sentimentais que eu já tive em toda a minha vida. Esqueça todos os romances adolescentes, todas as lágrimas que já derramamos por casais da ficção, nada disso se compara aos sentimentos envolvidos nessa reportagem definitiva da tragédia da boate Kiss.

Para quem, assim como eu, não sabia da existência dessa obra da literatura até o momento, vou dar um breve resumo do que se trata. Todo Dia a Mesma Noite é um livro/reportagem, escrito pela jornalista Daniela Arbex (autora de Cova 312 e Holocausto brasileiro) e narra, como diz o título, a história não contada sobre o incêndio da boate Kiss.

O livro é muito bem escrito, fácil de ler, envolvente e obviamente muito dramático. Daniela conseguiu com majestosidade traduzir em palavras a história de diversas famílias que sofrem até hoje com a perda de seus entes, a dor de uma cidade, o luto de um país. A obra não conta apenas como foi o fatídico dia 27 de janeiro de 2013, mas também nos introduz a vida das famílias antes do incêndio, a sua relação com seus filhos e o passo a passo das vítimas até o momento em que colocaram seus pés no interior da boate. Vivemos um pouco do presente, do passado e também do futuro, de como, mais de 5 anos depois, as famílias se recuperam e lidam com a perda.

Não sei se sou capaz de colocar em palavras como a leitura desse livro é essencial e recomendável para qualquer ser humano. É sempre importante conhecermos nossa história, as catástrofes e as tragédias, para que essas coisas não voltem a acontecer.

Se vocês valorizam a minha opinião pelo menos um pouquinho, leiam esse livro, por favor. Vale cada segundo, cada lágrima derramada. Serão as 248 páginas mais rápidas que vocês já terão lido na vida, eu prometo.

“Para quem perdeu um pedaço de si na Kiss, todo dia é 27. É como se o tempo tivesse congelado em janeiro de 2013, em um último aceno, na lembrança das últimas palavras trocadas com os entes queridos que se foram, de frases que soarão sempre como uma despedida velada.”

Review | I am mother

I-am-mother3Quando eu já tinha praticamente desistido dos filmes originais Netflix, I Am Mother surgiu como sugestão na televisão. Assistimos o trailer, parecia entregar a história toda, assim como Obsessão Secreta, porém, acreditamos por um momento que poderia ter algo de surpreendente e diferente.

E acertamos. Que filme incrível! Com certeza o trailer não entrega a história toda, isso seria praticamente impossível. O enredo consegue te surpreender do início até ao fim. Vale a pena cada minuto assistido.

Resumindo, I Am Mother é um filme de suspense/ficção científica que se passa em um futuro pós apocalíptico. Um robô recebeu a missão de repopular a Terra após eventos desconhecidos terem exterminado a raça humana e acabado com as condições de vida no planeta. Esse robô, conhecido por nós como Mãe, cria seu primeiro humano, uma menina, a qual é chamada de Filha.

Tudo corre perfeitamente bem, até que um dia, uma mulher (sim, outro humano) acaba entrando na unidade de repovoamento onde Mãe e Filha moram, e virando a vida delas de ponta cabeça.

O laço afetivo criado no decorrer dos anos entre a humana e o robô, se encontra em perigo quando a nova convidada começa a contar verdades completamente diferentes das que a menina conhecia até então.

É a partir daí que começa o suspense, a ação e as descobertas. Quem é o vilão? Qual é a verdade? Em quem devemos confiar? Que lado a Filha irá escolher? O que realmente aconteceu com o mundo e o que acontece lá fora? São todas perguntas que irão ser respondidas no decorrer do filme.

Eu amei a história, os personagens (principalmente a Mãe) e a fotografia do longa. Valeu a pena cada minuto assistido e eu com certeza indicaria o filme para qualquer pessoa que queira assistir algo fora dos padrões e ter assunto pra debater com alguém por horas.

Nota 10/10!

Review | Obsessão Secreta

dfsgdfg_9UnCm1RVamos falar sobre um dos piores filmes que a Netflix já fez nos últimos tempos?

Pra começar, quando eu assisti ao trailer desse filme de suspense, original Netflix, eu pensei: Deve ter algo de surpreendente no enredo ou no final da história, não é possível. Por que eu pensei isso? Porque o trailer conta TODA a história do filme. Do começo ao fim. Depois de ver o trailer o nome do filme poderia ser Obsessão Nem Tão Secreta Assim.

Começando com o trailer regado de spoilers e que já entregava cada detalhe de cada mistério desenvolvido durante a 1 hora e 37 min do filme, infelizmente Obsessão Secreta não me surpreendeu e conseguiu entrar na minúscula, quase inexistente, lista de filmes que realmente não me agradaram.

O filme conta a história da jovem Jennifer Willians (Brenda Song), que acaba perdendo a memória após ser atropelada por um carro. O fato é que ela só foi atropelada por esse carro, no meio da noite, em meio a uma tempestade, porque estava fugindo de alguém que visivelmente estava tentando matá-la.

Eu já fui mais fã de terror e suspense, mas mesmo não amando mais o gênero nos dias atuais, confesso que senti sim uma certa aflição e medo durante alguns momentos do filme, mesmo sendo cheio de clichês de filmes de suspense.

Eu achei o filme mal montado, cheio de pontas soltas e histórias mal contadas. Os personagens eram vagos e não tinham muita conexão, até mesmo os que eu achei que ia gostar e me conectar melhor, acabaram me decepcionando (vulgo detetive). Tem fatos que foram citados que simplesmente não fazem sentido e coisas que não condizem com a realidade. Eu simplesmente fiquei com aquela cara de ‘O QUE FOI ISSO?’, no final.

Enfim, assistam o trailer e tirem suas próprias conclusões. Pra mim, esse é um filme nota 1/5 (ou menos).

Review | Toy Story 4

Toy-Story-4Amigo, estou aqui! Amigo, estou aqui!

Finalmente depois de longos 9 anos de espera, o quarto e último filme da franquia Toy Story foi lançado. E eu, obviamente, fui assistir no cinema!

O que dizer desse filme que marcou tanto a minha vida todinha? Eu simplesmente amei, principalmente pelo fato de Toy Story 4 marcar o início de uma nova era da Pixar. Eles afirmaram que fizeram um final diferente do que a maioria esperava, que fugia do padrão de decisões dos personagens, já para mostrar o novo rumo que a produtora irá tomar daqui pra frente.

Em Toy Story 4, nossos amados brinquedos viajam em uma aventura com sua nova dona, a Bonnie (lembram da menina que ganhou os brinquedos no final do terceiro filme? Essa mesma). Mas essa viagem acaba se tornando uma aventura, cheia de perigos, descobertas e reencontros.

Minha coisa preferida do filme, com certeza foram os novos personagens. Gabby Gabby, Garfinho, o coelhinho, o patinho e muitos outros, são ABSOLUTAMENTE INCRÍVEIS.

Acontece muita coisa inesperada, você vai soltar muitas gargalhadas e, se tiver coração, vai até chorar algumas lágrimas. EU AMEI esse filme, até mais do que os outros três.

Recomendo de olhos fechados ❤