Resenha | Anne e a Casa dos Sonhos

“Tudo bem, a vida pode ser um vale de lágrimas, mas suponho que algumas pessoas gostam de chorar.” – Anne e a Casa dos Sonhos

Chegamos no penúltimo livro da coleção Anne de Green Gables (contados pela própria Anne, sem contar os apêndices, é claro), e desta vez Anne está casada, mais madura do que nunca e pronta para viver sua tão sonhada vida em sua perfeita Casa dos Sonhos.

Em Anne e a Casa dos Sonhos, Anne e Gilbert se mudam para Four Winds, uma cidade portuária. Gilbert trabalha como médico no centro da cidade, enquanto Anne passa os dias em sua amável casinha, que fica mais afastada, próxima do farol e do mar.

Nesse local remoto, o jovem casal não conta com muitos vizinhos, se não a jovem Leslie, o experiente capitão Jim, responsável pelo farol da cidade, e a amarga Senhora Cornélia, que tem a maior aversão aos homens e a língua extremamente afiada.

O livro tem início com o belíssimo casamento de Anne, que acontece em Green Gables, seu lar da infância. É um momento marcado por emoção e despedidas, seguido pela partida do casal para sua nova vida. E esse é praticamente o único momento que temos em todo o livro que remete à antiga vida de Anne em Avonlea.

Se em Anne de Windy Poplars já havíamos nos afastado do antigo universo onde Anne viveu na infância, agora, depois de casada e com uma casa só sua, nos afastamos ainda mais. Porém, nossas queridas Marilla e Rachel Lynde visitam a casinha dos sonhos com frequência.

Pela primeira vez, temos uma descrição um pouco mais aprofundada da relação entre Anne e Gilbert, algo que não tivemos desde o começo da história, por mais que os bebês ainda cheguem carregados por uma cegonha (acho hilário como a autora consegue remover toda e qualquer atração carnal de suas descrições, transformando tudo em um perfeito conto de fadas).

Anne chega a sua Casa dos Sonhos aos 25 anos e vive 2 anos de altos e baixos, risos e lágrimas, entre aquelas quatro paredes. Tantas histórias são contadas ao longo desses anos em frente à lareira. Eu acho particularmente incrível assistir a forma como ela consegue construir laços tão intensos em todo lugar que vai e amei acompanhar o desenrolar da sua amizade com os novos personagens desse livro (por mais que eu quisesse estapear a Leslie em alguns momentos).

Os novos personagens são bem peculiares e possuem suas próprias histórias e tramas que vão se desenvolvendo ao longo do livro. Isso dá um ar diferente à história, que deixa de girar unicamente em torno de Anne. Também temos um capítulo inteiro do livro narrado por ele, Gilbert Blythe, o que eu achei muito bacana e acho que poderia ter se repetido mais.

Outro ponto interessante desse livro em questão é o momento sombrio e depressivo pelo qual Anne passa, o que trouxe a história pra mais perto da realidade e mostrou que nem mesmo as pessoas mais felizes conseguem se manter positivas o tempo todo.

Com 27 anos e dois anos inesquecíveis vividos em sua casinha dos sonhos, Anne e Gilbert finalizam as 256 páginas se mudando para uma nova casa, onde com toda certeza serão ainda mais felizes e poderão expandir sua pequena e adorável família.

Obs: Estou começando hoje o último livro da coleção, Anne de Ingleside, onde Anne já tem 34 anos. Não estou preparada para me despedir dela, de sua mente brilhante e suas descrições minuciosas. Eu não leio muito, e há quase um ano estou mergulhada nesse universo e não sei se estou pronta pra sair.

Resenha | Anne de Windy Poplars

“Ninguém é velho demais para sonhar e sonhos nunca envelhecem.” – Anne de Windy Poplars

E chegamos ao quarto livro da série da nossa amada Anne Shirley! Confesso que estou muito apegada nessa menina, no seu universo, e zero preparada para me despedir.

No quarto livro acompanhamos a personagem de seus 22 aos seus 25 anos de idade. Durante esses três anos, ela se muda para a cidade de Summerside, onde conseguiu uma vaga como diretora de uma escola local. Lembrando que ela conseguiu essa vaga por ser formada em Letras!

Assim que chega na cidade, Anne consegue um quarto em uma casa na Rua dos Fantasmas. E como era muito comum para a época todas as casas terem nomes, assim como Green Gables, essa casa não era diferente, sendo chamada de Windy Poplars.

O livro é dividido em três partes: ano um, ano dois e ano três, que são os três anos de contrato que a Anne assinou com a escola.

Outro ponto importante sobre esse livro em particular é que ele é quase completamente composto por cartas enviadas da Anne para o Gilbert, que se mudou também para cursar Medicina. Eu gostei bastante desse formato, já que ele acaba trabalhando a relação dos dois, mesmo que à distância.

Claro que eu senti falta de algum romance nessas cartas, já que as páginas românticas eram sempre omitidas, e eles ainda avisavam que tinham omitido, bem frustrante.

Fora isso, esqueçam todos e todas as pessoas que conheceram até então na nossa jornada com Anne Shirley. Não teremos Diana, nem os vizinhos de Green Gables, muito menos as colegas de universidade nesse livro. Todos eles foram completamente deixados para trás. Anne ainda visita Green Gables diversas vezes durante o livro, mas as descrições focam muito mais nela aproveitando os momentos em casa, do que nas pessoas a sua volta.

Consequentemente, recebemos dezenas de personagens novos, como os Pringles, que são a elite de Summerside e fazem o primeiro ano de Anne na cidade um verdadeiro caos, as viúvas de Windy Poplars e Rebecca Dew, que recebem a professora de braços abertos, e é claro, a pequena Elizabeth.

Windy Poplars se torna um lar, não apenas para Anne, mas para nós leitores, que nos sentimos acolhidos e abraçados quando Anne senta em frente ao fogão de seu quarto na torre para observar o cemitério e ouvir o vento.

Esse é com certeza um dos meus livros favoritos até o momento, pois explora a fundo a vida de Anne como indivíduo, como adulta, finalmente desbravando o mundo e aprendendo com seus erros. Cada ligação que ela constrói com os residentes de Summerside é significativa e soma muito na história.

Me apeguei profundamente em diversos personagens, em Summerside e principalmente em Windy Poplars e nos pequenos detalhes da rotina de Anne, Rebecca, as viúvas e Rusty Miller, o gato que deu tanto pano pra manga.

Ao finalizar a leitura confesso que lacrimejei, sentindo o mesmo que Anne ao se despedir de seu novo lar. Concluímos essa parte da história com uma Anne madura, decidida, que encontra em seu prometido (Gilbert, é claro), um porto seguro no dia a dia, e anseia pela sua vida juntos.

É simplesmente APAIXONANTE!

Resenha | Anne da Ilha

” – Provei o mundo e ele já não veste as cores do romance que costumava usar.” – Anne da Ilha

O terceiro livro da coleção que inspirou a série Anne with an E, da Netflix, nos apresenta a uma Anne mais velha, mas ainda com muito a aprender e amadurecer.

O livro começa com uma Anne de 18 anos, pronta para embarcar em uma nova aventura: a faculdade. Ela parte para uma nova cidade, onde irá viver os próximos 4 anos de sua vida, como universitária. Após viver um tempo em pensões, Anne e suas amigas alugam uma adorável casinha na cidade e contratam uma governanta, a tia de uma das meninas.

Primeiramente, uma das coisas que me incomodou muito, principalmente na primeira metade do livro, foi a falta de detalhes a respeito da faculdade em si. Na verdade, Anne passava cerca de 2 a 5 páginas de um capítulo na faculdade, e em seguida embarcava novamente para Avonlea, fosse para um feriado, férias, Natal ou algum casamento.

Eu tive a impressão de que, mesmo se passando 4 anos nesse livro, e com a Anne na faculdade na maioria desse tempo, a faculdade foi deixada em segundo plano, algo que eu não gostei muito. Ela citava que frequentava eventos, que participava de clubes, que tinha provas, mas nós nunca fomos levados com Anne para as aulas, não sentimos o gostinho da competitividade acadêmica que é tão natural da personagem, nem fomos aos bailes e concertos.

Confesso que senti que Avonlea deveria ter sido deixada para trás, pelo menos parcialmente, nesse livro, e que deveríamos ter sido mais introduzidos ao novo mundo onde Anne estava vivendo. Mas não foi bem o que aconteceu.

Como citei anteriormente, mesmo Anne estando muito mais velha, ela ainda tem muito a aprender e amadurecer. Como toda jovem, ela comete muitos erros, mas o pior é que ela erra e insiste no erro, e algumas vezes se torna cega diante de respostas óbvias, o que também me irritou bastante.

Uma coisa que me pegou muito da metade para o final da leitura, foi o fato de Anne começar a perceber o mundo mudando a sua volta e sentir que estava sendo deixada para trás. Ela se força a deixar alguns devaneios de infância de lado e fazer o que é preciso para melhorar.

Ela mergulha em um mar de melancolia ao retornar a Green Gables após a formatura, que eu entendo até demais, ao perceber que tudo a sua volta está diferente, menos ela, e pensar em como ela queria voltar a ser criança, mas não pode.

Nesse momento de melancolia, a garotinha sonhadora dos primeiros livros desaparece, e é aí que tudo se esclarece na mente de Anne e ela saí dessa situação uma mulher, pronta para enfrentar os altos e baixos da vida adulta (mas não se preocupem, a sonhadora cheia de firulas continua lá).

No geral, eu amei a leitura. Entendo que as partes iniciais que me irritaram foram escritas com esse objetivo. Anne precisava viver o que viveu, sentir o que sentiu, quebrar a cara como quebrou, para chegar ao ponto em que chegou no fim da história e estar pronta para seguir em frente.

Ansiosa para o restante da história da nossa menina (já estou apegada nesse nível).

“‘Nem todas as lições se aprendem na faculdade’, pensou. ‘A vida pode ensiná-las em todos os lugares’. ” – Anne da Ilha

Resenha | O Castelo Animado

“Sinto muito. Eu já fugi demais em minha vida. E finalmente eu tenho algo para proteger: você.” – O Castelo Animado

Após ter uma das maiores surpresas e uma das melhores experiências cinematográficas dos últimos anos ao assistir o filme O Castelo Animado, um anime do clássico Studio Ghibli, não pude resistir ao saber que o longa era inspirado em um livro e comprei a obra no mesmo dia.

Poucos dias depois, cá estava eu mergulhada no universo de Howl, o devorador de corações, Sophie, a velha ranzinza, e Calcifer, o demônio do fogo.

Para aqueles que também assistiram ao filme e se interessaram pelo livro, já lhes adianto: o livro, como sempre, é MUITO mais completo. Todas as brechas, histórias pela metade e coisas um tanto sem sentido que vemos no filme, são explicadas detalhadamente nas 368 páginas do livro.

Porém, além de termos algumas boas explicações, muita coisa é diferente na versão original da história. Pra começar, a família da Sophie é uma peça chave em toda a trama, suas irmãs e sua madrasta, que mal é citada no filme. O espantalho, personagem tão marcante no filme, aparece aqui também, mas de uma forma um pouco diferente, sendo tudo, menos amigo de Sophie, que morre de medo do coitado.

As personalidades dos protagonistas foram traduzidas com maestria para a telinha, Howl é egocêntrico como nunca, sedutor e fascinado pela sua própria beleza, Sophie é velha antes mesmo de ser velha e encontra no Castelo Animado uma chance de quebrar o terrível feitiço que lhe foi lançado, Calcifer não vê a hora de se livrar de Howl, mas ao mesmo tempo não sairia dali por nada no mundo, já Michael, que no filme se chamava Markl e era uma criança, no livro é um personagem completamente diferente.

Ele é alto, magro, de pele negra e tem um belo romance com uma das irmãs de Sophie (eu falei que elas são muito importantes, mas não entrarei em mais detalhes). No livro podemos acompanhar a dinâmica do Castelo de forma mais detalhada, e a construção da relação entre Sophie e Howl é muito mais significativa.

Também temos muito mais da vilã, a Bruxa das Terras Desoladas, que assombra a vida de Howl e trava algumas batalhas contra o mago. Ah, aqui ela também é esbelta, alta e bela, diferente do que vemos no filme (por que essa mania de pintar bruxas como criaturas horrorosas?).

Sem mais delongas, para não enchê-los de spoilers da leitura, O Castelo Animado é um livro tão belo e prazeroso de ler quanto o filme é de assistir. Recomendo assistir o filme antes, porque eu jamais seria capaz de imaginar coisas tão lindas e tantos detalhes sem a ajuda do Studio Ghibli.

E se você já viu o filme e amou, mas acha que não precisa ler o livro, saiba que está errado! A leitura dessa história vai te encher os olhos e preencher lacunas que você nem sabia que existiam até então. É o complemento perfeito.

Obs: apenas uma complementação para quem possa interessar, saiu vlog de leitura desse livro MARAVILHOSO lá no canal e tá muito legal MESMO! Super recomendo (suspeita).

Resenha | Anne de Avonlea

“A vida é o que acontece agora. Não deixe pra viver amanhã o que você pode viver hoje.” – Anne de Avonlea

Quase dois anos depois de ler o primeiro volume, finalmente finalizei a leitura de Anne de Avonlea, o segundo livro da coleção que deu origem a famosa série da Netflix, Anne With an E.

Neste livro, Anne Shirley já é uma jovem de 16 anos e leciona na escola de Avonlea. Ela sonhava em seguir seus estudos e ir para a faculdade, porém seus planos foram interrompidos quando seu pai adotivo Matthew morreu repetinamente, ainda no final do primeiro livro (único momento até agora que me arrancou lágrimas durante a leitura da coleção).

Aqui, acompanhamos a trajetória de uma Anne mais velha, mais madura, mas que ainda divaga com a mesma intensidade sobre as flores, perfumes, e nos encanta com os mais específicos detalhes da pequena Avonlea.

Alguns personagens já conhecidos seguem fazendo parte do cotidiano da protagonista, como Diana, a Sra. Rachel Lynde e o nosso amado Gilbert Blythe, que infelizmente está lecionando em outra cidade e aparece pouquíssimas vezes durante o livro. Mas a trama também inclui novos personagens que se tornam muito importantes para a vida de Anne, como o novo vizinho rabugento, o Sr. Harrison, a Srta. Lavendar e sua adorável casinha de pedra, Paul Irving, o melhor aluno da classe, e é claro, os gêmeos Dora e Davy, que acabam indo morar em Green Gables e viram a vida de Anne e Marilla de ponta cabeça.

Anne finalmente conquistou o coração de toda Avonlea e além de ser a única professora da cidade, ainda ajuda a fundar um comitê na ilha para melhoramento dos jardins, casas e estradas. Ela, Diana, Gilbert e mais alguns de seus antigos colegas, se unem para tornar Avonlea uma cidade mais bonita.

Como Anne de Green Gables, achei a leitura extremamente leve e gostosa, mesmo quando tínhamos duas páginas corridas de Paul Irving ou Anne Shirley tagarelando sobre algum tema aleatório. O estilo de escrita utilizado nessa coleção realmente me cativou muito e o sentimento de poder acompanhar o crescimento e desenvolvimento, não apenas da Anne, mas de todos os personagens a sua volta, é indescritível.

Estou extremamente ansiosa para saber o que virá a seguir na vida da nossa ruivinha preferida. E também estou contando os minutos para o romance Anne x Gilbert finalmente acontecer.

Sonic 2 é filme de criança? Análise com spoilers

Fui assistir Sonic 2 na semana de estréia e não podia deixar de falar desse filme!

No início do mês de abril meu irmão, que tem 12 anos, me informou que esse filme estaria estreando esse mês e que queria que eu o levasse assistir.

Muito contra a minha vontade eu sentei uma tarde pra assistir Sonic 1, de 2020, e TUDO que eu sabia até então sobre o filme era que eles tiveram aquele problema com o CGI do Sonic, que ele ficou meio assustador e tiveram que reeditar todo o filme pra trocar a animação do protagonista. 

Qual não foi a minha surpresa ao AMAR o primeiro filme e ficar contando as horas pra ver o segundo. 

Infelizmente eu não sou uma das crianças que cresceu jogando todos os jogos e vendo todas as animações do Sonic, eu já sou mais de uma geração Barbie e Ben 10, mas minha irmã, de 34 anos e meu irmão, que é fascinado pelo Sonic, pegaram MUITA referência dos jogos. 

Já eu peguei MUITA referência de filmes, clássicos, desde Star Wars, até Curtindo a Vida Adoidado, Vingadores, Shrek, e sem contar com a trilha sonora FANTÁSTICA, que é sempre algo que me conquista de cara em um filme. 

Tudo que Sonic 1 teve de fofo, tocante e emotivo devido ao abandono do ouriço e o processo dele encontrar uma segunda família, triplica em Sonic 2 com a chegada do Tales e do Knuckles.  

Nesse segundo filme o Dr. Robotnik, interpretado MAGESTOSAMENTE, como sempre, pelo Jim Carrey, retorna do planeta dos cogumelos, onde ele foi preso no primeiro filme pelo Sonic, com a ajuda do Knuckles, que até então tem como missão aniquilar o Sonic e recuperar a tal esmeralda toda poderosa. 

Nesse filme a gente acompanha o Sonic evoluir de um personagem irresponsável, inconsequente e infantil pra um verdadeiro herói. Ele assume a missão dele como protetor da esmeralda e enfrenta todos os maiores medos dele pra honrar a Garra Longa, que é a coruja que criou ele e mandou ele pra Terra. 

Em relação a referências aos jogos, digo isso depois de muita pesquisa e depois de ter visto muitos vídeos, Sonic 2 é muito mais bem trabalhado do que o primeiro. Imagino eu que isso aconteça porque no primeiro eles queriam construir melhor uma história, uma emoção pro Sonic, esse conceito da criança abandonada encontrando uma família. 

Mas nesse segundo eles tiveram todo o tempo de tela pra trabalhar as cenas de ação, as corridas, ele realmente sendo um herói, e as fases do jogo são vistas com muita clareza em várias cenas do filme, desde as fases aquáticas, até o Sonic voando com o Tales, a cena da avalanche, os templos antigos, tudo é fase de jogos. 

Fora tanta referência bacana ao universo dos jogos e filmes, uma das coisas que eu mais gosto nos filmes do Sonic são as mensagens e o conceito de família. 

Eu amo a pequena família que o Tom, a Maddie, o cachorro e o Sonic formam, a forma como mesmo o Sonic não sendo realmente da família, nem humano, eles tratam ele como prioridade, chamam de filho e tudo o mais. E com certeza isso foi muito reforçado no segundo filme. Sabe aqueles adultos que só atrapalham? Esses não são eles. 

Eles são incríveis e com certeza uma peça fundamental nos filmes. E espero que na continuação a gente possa ver mais dos dois sendo ótimos pais pro Knuckles e pro Tales também. 

Lembrando que na cena pós-créditos recebemos aí a confirmação de que o plot do próximo filme será ao redor do Shadow, que é um ouriço espacial criado geneticamente pela família Robotnik, e possivelmente também teremos Amy Rose, a namoradinha do Sonic, mas essa é só especulação até o momento.  

Em um resumo da ópera, Sonic 2 é extremamente superior a Sonic 1, que pra mim já tinha sido FANTÁSTICO, então se você ainda não assistiu esses filmes, seja por qual for o motivo, não perde mais tempo e assista! Porque eu to aqui de prova que ele agrada tanto os fãs do jogo, quanto o público em geral.

Nota: 10/10

Review | The Batman

The Batman (2022) estreou ontem e eu não pude deixar de conferir. Por que sou fã da DC? Não. Porque sou fã do Robert (e de Crepúsculo, fator importante já que grande parte do fanclube sempre prestigia o trabalho dos atores).

E o que foi Robert Pattinson nesse filme? Que ele é um ator espetacular eu não tinha dúvidas, aliás, vocês já assistiram O Diabo de Cada Dia? Porém, ele entregou absolutamente tudo e mais um pouco como Bruce Wayne.

Eu sempre gostei muito do personagem, de longe meu herói favorito do universo da DC, porém, senti uma profundidade e obscuridade no Bruce do Robert que nunca havia sentido antes. O filme como um todo traz uma sensação muito diferente a quem assiste, que remete muito ao que senti assistindo Coringa. Talvez seja a nova forma da DC de contar histórias.

Mesmo tendo 3 horas, pra mim o filme passou voando e poderia ter tranquilamente mais tempo. Entendo que muita gente achou enrolado e que poderia ser menor ou dividido em partes, mas eu, considerando o fato de que sou bem chata com filmes longos, discordo totalmente.

Em acréscimo a isso, acho importante discordar também das pessoas que acham que o enredo ao redor do vilão principal, Charada, não foi bem desenvolvido, devido à presença de outras figuras na história, como Pinguim e Falcone. Ao meu ver, sem o enredo secundário, focado nos personagens do Pinguim, Falcone e Selina (divinamente interpretada por Zoë Kravitz), não seria possível criar o enredo do Charada e do seu plano maligno.

Tudo nesse filme se conecta, nada é deixado para trás.

As cenas de luta são explendidas, comentário que vindo de mim é muito valoroso, pois eu ODEIO violência e não vejo filmes de ação por esse mesmo motivo. E não tenho nem palavras para falar sobre a cena que foi, para mim, a mais incrível do filme, a perseguição de carro entre Batman e Penguim.

Em resumo, o filme todo foi uma experiência única e que eu com certeza repetiria. Até então esse foi o melhor filme que vi no ano, contando com o fato de que já assisti metade da lista de indicados ao Oscar.

Pattinson foi uma estrela, como sempre, e merece ser ovacionado o quanto fo preciso. E agora só posso dizer que estou ansiosa para a continuação desse novo ciclo do nosso famoso morcego.

E vocês, o que acharam do filme?

Review | Tick, Tick… Boom!

Vamos falar de Tick, Tick… Boom!, o filme musical da Netflix estrelando Andrew Garfield e com uma participação mediocre de Vanessa Hudgens.

O filme está concorrendo ao Oscar de Melhor Filme, e devido ao elenco e a esse fato mega importante, resolvi dar uma chance mesmo sabendo que era musical e ODIANDO musicais.

O enredo nos apresenta à Jonathan Larson, um compositor que vive em NY, cujo sonho é produzir peças para a Broadway.

No decorrer do filme acompanhamos toda a pressão que a aproximação de seu aniversário de 30 anos causa no personagem, assim como a forma como ele lida com suas questões relacionadas ao amor, amizade, etc.

Sobre as músicas, algumas são realmente boas, mas eu não sou a pessoa certa para avaliar essa parte, já que, como citei anteriormente, não gosto de musicais. O enredo e os personagens são ótimos, e o filme fica melhor ainda quando você sabe que é baseado em fatos reais (SIM!).

A história é do compositor de mesmo nome, famoso nos 90 por revolucionar a Broadway e a forma de se fazer musicais com seu musical Tick, Tick… Boom! e posteriormente, Rent. Porém, Jonathan morreu aos 35 anos, apenas 5 anos após a narrativa do filme, devido a uma dissecção aórtica.

Enfim, voltando para o filme, não sei porque contrataram Vanessa Hudgens para um papel tão pequeno. Estava animada para vê-la com Andrew na telinha e fiquei decepcionada com seu total de duas falas, sendo ambas “oi”.

Por outro lado, Alexandra Shipp foi uma ótima surpresa, entregando TUDO que eu esperava na Vanessa como a protagonista feminina do longa.

O filme não é ruim, inclusive no quesito musical ele conseguiu uma boa colocação no meu ranking, vista a qualidade da história. Porém, não acho que merecia a indicação ao Oscar de Melhor Filme (novamente, minha opinião), mas talvez merecesse Melhor Ator para Garfield, que entregou mais do que prometido na sua interpretação e cantoria.

E vocês, o que acharam?

Novidades de setembro | Netflix e Prime Video

20200902_193832000_iOS.jpgChegamos com mais um post de lançamentos do mês das plataformas de streaming. Dessa vez, eu separei pra vocês não apenas os lançamentos da Netflix, mas também os principais nomes que entram no catálogo da concorrente Amazon Prime Video (cuja qual eu assinei esse mês! yey).

Então, sem mais delongas, vamos à nossa lista de lançamentos:

NETFLIX

01/09

Keeping up with the Kardashians : Temporadas 3 e 4
Escola de Rock (filme)
Meninas Malvadas (filme)
Django Livre (filme)
Além da Morte (filme)
Os Donos da Rua (filme)
Caso 39 (filme)
Beleza Americana (filme)
O Chefinho – pega esse bebê! (filme)
Decisão (filme)

02/09

Freaks – Um de nós (filme)
Chef’s table: churrasco (série)

03/09

Amor garantido (filme)
Afonso Padilha: Alma de pobre (especial)

04/09

Away (série)
Estou pensando em acabar com tudo (filme)
Tropa de Elite (filme)

07/09

Anabelle 2: A criação do mal (filme)

08/09

The Post: A guerra secreta (filme)

09/09

The Home Edit: A arte de organizar (série)
Muito amor pra dar (filme)

10/09

Julie e os fantasmas (série)
A babá rainha da morte (filme)
O impossível (filme)

11/09

Procura-se um pai (filme)

14/09

Sem maturidade para isso (série)

15/09

Justin Bieber: Never say never (filme)
A colheita da fé (filme)

16/09

O diabo de cada dia (filme)
Baby: temporada 3 (série)
Nas montanhas da coruja: temporada 2 (série)
Remédio amargo (filme)

17/09

A penúltima palavra (série)
Dragon’s Dogma (anime)

18/09 

Ratched (série)
Jurassic World: Acampamento Jurássico (série)

21/09

Papa Francisco: um homem de palavra (filme)
Uma canção para Latasha (filme)

22/09 

Ladybird: a hora de voar (filme)
Trama fantasma (filme)

23/09

Enola Holmes (filme)

25/09

Sneakerheads (série)
Meio country meio hip hop (série)

30/09 

O espetacular homem-aranha (filme)
Todo dia (filme)

AMAZON PRIME VIDEO

01/09

Gauguin – Viagem ao Taiti (filme)
O Escorpião Rei 5: O Livro das Almas (filme)

04/09

The Boys: Temporada 2 (série)

08/09

Halloween (filme)

13/09

Johnny English 3.0 (filme)

15/09

Grey’s Anatomy: Temporadas 1 a 16 (série)
Bones: Temporadas 1 e 2 (série)
Fear The Walking Dead: Temporada 5 (série)

20/09

American Horror Story: Temporada 9 (série)
Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (filme)

22/09

O Mistério do Relógio na Parede (filme)

25/09

Fernando: 1ª Temporada (série)
The Quarry (filme)

27/09

O Grinch (filme)

 

Resenha | Anne de Green Gables 🌾

IMG_2853

“As boas estrelas se reuniram em seu horóscopo e constituíram você de espírito, fogo e orvalho.” – Robert Browning

Anne de Green Gables é o primeiro livro da coleção que deu origem a famosa série da Netflix, Anne With an E. Eu tive o prazer de ler esse livro encantador antes de assistir a série, então nessa resenha não teremos comparações.

O romance de Lucy Maud Montgomery é considerado um dos grandes clássicos da literatura canadense e já vendeu milhões de cópias ao redor do mundo desde sua publicação, em 1908.

Neste livro, a pequena Anne Shirley tem apenas 11 anos de idade, quando chega em Green Gables com seus cabelos ruivos desarrumados e suas vestes de segunda mão.

Ela é adotada acidentalmente por um casal de irmãos, que já idosos e cansados, procuravam por um menino para ajudar nas tarefas da fazenda. Porém, por um erro de terceiros, ao invés de um menino, Matthew e Marilla Cuthbert receberam Anne, completamente o oposto do que eles esperavam.

A jovem Anne é um sopro de ar fresco, não apenas para nós, leitores, mas também para os irmãos Cuthbert, que depois de muito debaterem, resolvem deixar a jovem fazer parte de sua família.

IMG_2862IMG_2864IMG_2865

No primeiro livro da coleção, nós somos introduzidos ao mágico mundo onde Anne habita. Cheia de imaginação, ela vê o mundo de uma forma como ninguém mais vê. E é dessa forma única que tudo é descrito, as paisagens, o mar além das colinas, os pomares e as flores que desabrocham na primavera e partem no outono. Tudo é simplesmente mágico e encantador em Anne de Green Gables.

A escrita, mesmo sendo refinada e contendo citações de obras antigas, é leve e rápida. Como uma das maiores características de Anne é sua tagarelice, temos páginas e mais páginas de monólogos intensos sobre os mais diversos temas, além de sonhos e nomes criativos para todas as coisas que existem. Esse livro te faz querer viver em uma fazenda no interior do Canadá, em 1890, usando vestidos bufantes e gelando o leite no córrego (e eu nunca imaginei que ia pensar em viver nessa época).

O livro começa quando a pequena Anne tem apenas 11 anos, e narra toda a sua trajetória, desde a adoção, contando com flashbacks de sua vida como órfã, até sua formação na escola, aos 16 anos.

Em 336 páginas, acompanhamos 5 anos da vida cheia de aventuras e cores de Anne Shirley. Suas amizades intensas, o amor que surge entre ela e sua nova família, seus sonhos e inseguranças, tudo que um pré-adolescente normal vive. Mas Anne não é uma pré-adolescente qualquer, e é isso que torna a leitura desse livro ESSENCIAL!

Não é justo classificar esse livro, então apenas direi que ele é perfeito, sem mais nem menos, e que não vejo a hora de trazer a resenha do segundo volume para vocês.

IMG_2868

Sobre a edição: O livro das fotos é uma edição especial ilustrada do romance. Além de todas as ilustrações incríveis e de decorações em todas as páginas, o papel ainda é daqueles super macios e gostosos de folhear, que não secam e não grudam na mão.

Ele custou em média R$ 40 e super compensa por ser uma edição especial e por retratar em suas cores um pouco do que é o universo narrado no livro. O único problema, na minha opinião, é que o livro saiu com diversos erros de digitação, como letras faltando e palavras erradas, o que é uma pena, mas não é algo que influencia na leitura.