Resenha | Bela Maldade

Vamos direto ao assunto, sem enrolação: esse é sem dúvida o livro mais horrível que eu já li!

Não existe outra palavra que descreva melhor essa história do que HORRÍVEL. Mas não se preocupem, não é o horrível que você esta pensando, porque pelo contrario da palavra, o livro é simplesmente magnifico, o enredo, os personagens, a história em si, tudo é muito bem detalhado e escrito, o que acaba deixando o livro mais “horrível” ainda.

O livro conta a história de Katherine Paterson, antiga Katie Boydel. No passado Katherine passou por um grande trauma quando perdeu sua irmã mais nova em um ‘incidente’ horrível (contado detalhadamente e dolorosamente, mais tarde), e depois disso ela nunca mais se sentiu capaz de ser feliz. Devido ao incidente Katherine decidiu mudar de nome, abandonando o sobrenome Boydel e o nome Katie, e também optou por mudar de cidade e ir morar com a tia, bem distante de toda a tragédia e seus precedentes.

Depois de algum tempo em uma nova escola, ela conhece uma linda garota chamada Alice, que transforma como em um passe de mágica, sua até então miserável vida, em algo alegre e descontraído. Mas Alice não é o que Katherine esperava. O prologo do livro te da o pior Spoiler do universo, o qual eu fiquei realmente decepcionada ao ler, mas como é o prologo e você não precisa nem ler o livro para ler o prologo, posso contar esse detalhe: Alice morre. Tendo isso em mente você pode saber que tudo de mal que ela fizer será compensado mais tarde, mas isso não diminuirá sua raiva.

Alice trás coisas maravilhosas para a vida de Katherine, mas também desenterra os piores sentimentos, dores e medos que ela já deve durante toda a sua vida.

O livro se desenrola de uma forma meio confusa, mas totalmente compreensível, de uma forma dolorosa, e totalmente injusta. Minha autora mais odiada no momento, sem dúvida alguma é Rebecca James, por ser tão sangue frio, cruel e sem coração.

Além de todo o sofrimento evidente que você vivenciara lendo esse livro, eu recomendo a leitura, mas confesso que pode acabar sendo uma leitura torturante.

ImagemImagemImagemImagem

Resenha | Quem é você, Alasca?

Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa, e ela furacão.

Vou começar admitindo que esse livro me fez entrar em depressão, sentir toda a angustia e dor de uma perda, chorar um dos choros mais sofridos da minha vida, e me fez revelar sentimentos que nem eu sabia que tinha.

Se você se emocionou com “A culpa é das estrelas” (que já tem resenha no blog), espere até ler Quem é você, Alasca?

Ele é envolvente e divertido, detalhista em todos os aspectos possíveis e super emocionante, como todos os outros livros do Green, ele te faz sentir cada emoção, cada dor e cada sofrimento de cada personagem, desde os principais, até os “figurantes”.

Não posso contar grandes detalhes, já que com o tempo aprendi que resenhas não devem ser “resumos” dos livros, mas sim algo que deixe a pessoa interessada na leitura, e não o contrario. Então o básico, digamos assim, seria que o Miles é super viciado em ultimas palavras, ou seja, ele sabe as ultimas palavras de basicamente toda pessoa famosa que já morreu. Um belo dia ele decide abandonar sua vida pacata e ir para um colégio interno em busca do Grande Talvez da sua vida.

Lá ele conhece Alasca Y., Coronel, Takumi e Lara (sua futura namorada, depois, ex-namorada), que se tornam seus melhores amigos.

Alasca é bipolar (no sentido figurado da palavra), histérica, mas ao mesmo tempo sedutora, inteligente e boa amiga. Ela tem muitos mistérios e coisas que ela nunca contou nem mesmo ao Coronel, seu melhor amigo, e alguns desses segredos acabam se revelando durante a leitura, e acabam sendo de grande importância para eventos futuros.

O que eu posso dizer alem disso? Posso dizer que sem duvida foi um dos melhores livros que eu já li, e que com certeza foi um bom investimento (mesmo que eu tenha pagado menos de 20 reais haha), eu recomendo mais do que qualquer outro livro que já resenhei antes, do fundo do meu coração machucado!

Tenham uma ótima, maravilhosa, sofrida leitura 🙂

Imagem

Resenha | Poderosa #1 (Sérgio Klein)

ImagemEu li esse livro quando estava aproximadamente no quinto ano do ensino fundamental, e simplesmente me apaixonei. Além de ser uma escrita leve e rápida, as páginas do livro ainda são super macias e te dão um certo “conforto” na hora de realizar a leitura.

A escrita do Sérgio é super agradável e fácil de se entender, e ele conseguiu focar muito bem na vida de um pré-adolescente, fazendo até os adultos entenderem todos os problemas e as dificuldades da Joana.

A Joana Dalva, personagem principal, é uma garota formidável, engraçada, divertida e acima de tudo uma ótima amiga. Seu nome foi escolhido através de um acordo entre sua mãe e seu pai, a mãe, queria que fosse Joana, devido a sua figura preferida da história, Joana D’Arc, e o pai por sua vez queria que fosse Dalva para homenagear sua mãe que acabara de falecer.

Depois de escrever um trabalho para escola sobre Joana D’Arc, Joana descobre que tem um poder em mãos. Como o próprio titulo do livro diz, ela tinha o mundo na mão, e consequentemente tudo que ela escrevia se tornava realidade.

A partir desse momento a vida de Joana sofreu uma reviravolta. Ela usou seus novos “poderes” para resolver simples problemas do dia a dia de uma pré-adolescente, mas também para ajudar os pais e amigos em situações bem ruins, as vezes causando até mais problemas.

Eu amei o livro completamente, achei a diagramação perfeita e o fato de ser impresso em papel couché ajudou muito, ao contrario do que muitos falam, já que isso acabou deixando o livro mais pesado.

Apesar de tudo o livro é magnifico e eu super recomendo, principalmente para crianças a partir dos 10 anos de idade!

Resenha | Maldosas – Pretty Little Liars #1

Rosewood é uma cidadezinha no interior dos EUA, mais especificamente no estado da Pensilvânia, com bairros normais, escolas normais e pessoas normais, é claro, com suas exceções.

Em Rosewood Day, a escola particular de Rosewood, um grupo de garotas lideradas pela eterna rainha Alison DiLaurentis, é especialista em manter segredos, fazer fofocas e tornar a vida dos outros em um verdadeiro inferno. Esse grupo é composto por Aria Montgomery, Emily Fields, Spencer Hastings e Hanna Marin.

Tudo muda na cidadezinha quando a lider do grupo, Alison, desaparece misteriosamente. Alison era a tipica garota arrogante que faz o que quer e faz todos ao seu redor fazerem o mesmo, e por isso ela tinha muitos inimigos.

Três anos após o desaparecimento, Aria estava voltando para Rosewood após morar por algum tempo na Islândia, para onde sua família resolveu se mudar para “ajuda-la” a superar o problema com Ali. No seu primeiro dia de aula, ela reencontra suas ex-melhores amigas, e descobre que ela não foi a unica a mudar, e que também não foi a unica a não manter contato com as amigas.

Nenhuma das quatro garotas mantem contato entre si, até que misteriosamente elas começam a receberem mensagens aterrorizantes, contendo alguns de seus maiores segredos, de uma pessoa anonima, que se auto denominava -A. No inicio elas desconfiaram que -A fosse Alison, mas ela estava morta… não estava?

Maldosas é o primeiro livro da série Pretty Little Liars, que como a maioria de vocês deve saber, também possui uma série de televisão. Como uma grande fã da série, eu tenho orgulho de dizer que li o livro antes de começar a assistir, quando a série ainda estava em seus primeiros episódios (sim, isso faz MUITO tempo mesmo). E mesmo contendo histórias e enredos totalmente diferentes, acabei virando fã da série de TV e dos livros.

Devido aos nomes e capas TOTALMENTE femininos e adolescentes muitas pessoas acabam dispensando a leitura, mas por experiencia propria eu digo que a leitura vale muito a pena. Os mistérios, os assassinatos e sim, até a pitada de romance, tudo é absolutamente bem expressado nessa série. Então como já era esperado, eu super recomendo a leitura!

1 a

1 c

1 e

1 d

atualizado no dia 24.05.14

Resenha | Divergente – Veronica Roth

Primeiramente, devo avisar a todos vocês que esse livro vai ativar TODAS as emoções que você tiver guardadas dentro de si, e também, que a Veronica Roth é tão má e assassina quanto todos aqueles autores que você odeia por serem tão maus.

Pra começar, devo dizer algo de grande importância nesse caso, eu sou uma pessoa muito lenta para ler, levo no mínimo uma semana para ler um livro, mas uma vez algo muito raro aconteceu, eu li Jogos Vorazes em pdf pelo computador em exatamente 16 horas, corridas. Dessa vez algo muito parecido aconteceu, só que pior, eu li Divergente em pdf, pelo celular, em apenas 2 dias. Isso é apenas para vocês terem uma ideia de quão bom e envolvente a história é.

Basicamente o livro conta a história de um futuro distópico, onde a cidade de Chicago é divida em facções, são elas: Amizade, Sinceridade, Abnegação, Erudição e Destemor.

Em poucos casos, membros de uma facção entram em contato com membros de outra facção, isso basicamente só ocorre no governo. Cada facção é encarregada de uma tarefa na cidade, proteção, governo e derivados.

Mas o mais importante a ser citado, é que toda criança, ao completar seus 16 anos, tem o direito de escolher a qual facção ela quer pertencer. Não importa em qual você nasceu, se não se sente bem, ou não se sente merecedor de estar nela, pode mudar livremente, com a noção de que nunca mais verá sua família de novo.

Cada facção tem um processo de iniciação para seus “novatos”, que consiste em três etapas de provas/desafios pelos quais eles tem que passar para provar que são bons o suficiente para serem membros da facção. Caso o contrário eles se tornam “sem-facção”, ou seja, membros rejeitados, os mendigos de atualmente, sem casa, sem comida, sem emprego, sem nada.

Tudo estava indo perfeitamente bem, até Beatrice (Tris), mudar de facção, da Abnegação para o Destemor, e ai tudo começa a mudar de rumo. Em uma certa parte da trama você vai descobrir finalmente o que é Divergente, e porque nossa Tris é uma, não só ela, como também muitos outros personagens ligados a ela, vai descobrir porque ser Divergente é tão perigoso, e porque isso vai definir o futuro de toda a história. Vocês vão conhecer Quatro, o segundo personagem mais importante de todos, o instrutor das atividades da facção Destemor, mas ele não é só isso.

A dor de cada personagem vem até você de uma forma inacreditável, e tudo que eu quis durante todo o livro, foi poder entrar na história e ajudar a salvar todas aquelas vidas, ajudar a evitar a dor, o sofrimento. Antes de terminar o post, só queria admitir uma coisa: eu nunca conseguiria ser tão forte, tão destemida, corajosa e resistente como a Tris foi, ainda mais depois da página 200! hahah

Se eu recomendo esse livro? Não, acho que não, porque o livro é tão bom, que eu quero que a história seja só minha, quero guarda-la no meu pensamento, e nunca mais esquecer (brincadeira, é claro que eu recomendo hahah). E outra coisa, eu chorei muito depois da página 200 também 😦

 ps: nunca estive tão ansiosa por um filme em toda a minha vida.

Imagem

Resenha: Feita de Fumaça e Osso

ImageSinopse: “Um romance de tirar o fôlego, sobre destino , esperança e a busca de si mesmo” The New York Times.
Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu.Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo.O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.

Resenha: É difícil falar para vocês sobre um livro desses, primeiramente, é um dos livros mais emocionantes e envolventes que eu já li em toda a minha vida. Pra mim, não foi uma leitura rápida, mas não foi culpa do livro, e sim culpa minha que nunca tinha tempo para a leitura. Depois que comecei a realmente me envolver no livro, devorava-o 24h por dia, até terminar.

Então vamos lá, como a sinopse já deixa muito bem explicado, o livro conta a história de uma adolescente chamada Karou, que além de ter o cabelo naturalmente azul e estranhas tatuagens por todo o corpo, ainda esconde muitos mistérios. Por exemplo, ela foi criada em um mundo paralelo, um mundo entre dois mundos, por “monstros” de espécies totalmente diferentes, que sempre a trataram com muito amor e carinho, mas sempre foram duros e reservados em relação a compartilhar de seus segredos e conhecimentos com Karou.

Ela sempre foi “por fora” de todas as atividades que ocorriam na sala entre os dois mundos, ela sempre foi apenas um intermediário entre Brimstone (seu criador, e mercador de desejos) e os seres humanos. Karou levava uma vida mais próxima do normal possível, além do fato de viajar o mundo através de portais, transportar dentes (humanos, de animais, qualquer tipo) por aí e poder realizar pequenos desejos através dos feitiços de Brimstone, ela tinha uma vida bem perto do normal. Estudava em uma escola de arte em Praga, tinha uma melhor amiga chamada Zuzana (que mesmo sendo melhor amiga também não sabia nada sobre Karou), e morava em um pequeno apartamento na cidade.

As coisas começam a tomar outro rumo na história, quando mãos negras começam a surgir nos portais por todo o mundo, Karou entra na “porta secreta” na sala entre os dois mundos, e descobre um outro mundo, o mundo dos monstros, o mundo dos quimeras. A vida dela muda totalmente depois disso, e mais ainda depois que ela descobre que quem vêm queimando os portais são serafins, ou seja, anjos.

A partir dessa parte da história, tudo fica tão louco e confuso que as vezes eu nem sabia o que pensar. Partes de histórias de outras épocas, uma pessoa com as lembranças de outra, assassinatos, capítulos e mais capítulos sobre novos personagens que surgem no meio da história, intrigas, romance, guerra, destruição. Tudo acontece tão rápido que você mal se da conta.

Com o tempo eu aprendi que resenha não é a mesma coisa que SPOILER, então estou evitando o máximo possível contar coisas desnecessárias, que possam influenciar na leitura de vocês. Então a unica coisa que posso dizer com certeza é: essa é uma leitura que vai mexer com você, e provavelmente entrará para a lista de favoritos, e a continuação, Dias de Sangue e Estrelas, entrará imediatamente para sua wishlist ♥

RECOMENDADO.

Resenha : Os Delírios de Consumo de Becky Bloom (Sophie Kinsella)

Image

Sinopse: Rebecca Bloom é uma jornalista especializada na área de finanças e uma compradora compulsiva. Na realidade, ela nada entende de economia, apesar de trabalhar no ramo, vive fugindo do gerente de banco e inventa meios malucos de conseguir pagar seu cartão de crédito. Romance de estréia de Sophie Kinsella.

Resenha: Finalmente, um mês após ter realizado a compra, finalizei a leitura da incrivel obra da Sophie Kinsella, Os Delirios de Consumo de Becky Bloom. Devo confessar que, depois de ver o filme centenas de vezes e de ser totalmente apaixonada pelo enredo, me surpreendi totalmente (de uma maneira positiva, é claro) após ter a oportunidade de ler o primeiro livro da série Becky Bloom.

Pelo que eu me lembro, o filme se passa em Nova York, me corrijam se estiver errada, mas no livro, trazendo um ar totalmente diferente e até de certa forma mais agradável, a historia se passa em Londres.

A obra é completamente diferente do filme, que por sua vez, já era bom em vários aspectos. No filme, a “doença” da Becky, a falta de controle, não parece ser tão grave quanto no livro. No livro, você sente agonia por ela, por todos os sonhos sem sentido e a vida imaginaria que ela monta em sua imaginação, tudo em questão de segundos.

Em algumas partes você sente vontade de esganar a personagem por causa de sua futilidade e falta de senso do que é certo e do que é errado, e o fato de que ela consegue tudo de bom na vida, mesmo vivendo dessa maneira, pode fazer algumas pessoas terem uma visão distorcida das coisas. Por exemplo: “Tudo bem se eu estourar o limite de todos os meus cartões de crédito e começar a ser perseguida por cobradores, pois tudo sempre vai acabar certo.”

Só uma dica para as pessoas mais cabeças fracas que se deixam levar por tudo que lê nos livros: Você não vai ter um dos homens mais ricos do país apaixonado por você do dia para a noite como aconteceu com a Rebecca, e também não vai conseguir matérias em um jornal importante e menos ainda um quadro especial em um programa de televisão. Não vai ter uma amiga rica para dividir apartamento com você e nem pais compreensíveis e vizinhos solidários.

O livro é muito bom, envolvente do inicio ao fim, e ilustra alguns problemas seríssimos da população atual que muitas vezes deixamos passar, o consumismo.

Super recomendo e não vejo a hora de ler a continuação, com uma Becky já controlada financeiramente, com uma carreira de sucesso e com um marido legal.

Resenha : Bling Ring – Nancy Jo Sales

Imagem

Sinopse: Entre 2008 e 2009, as residências de Lindsay Lohan, Orlando Bloom, Paris Hilton e diversas outras celebridades foram invadidas e saqueadas. Os ladrões, um grupo de jovens de famílias abastadas, levaram o equivalente a 3 milhões de dólares em joias, dinheiro e artigos de grife, como relógios Rolex, bolsas Louis Vuitton, perfumes Chanel e jaquetas Diane von Furstenberg. As notícias surpreendentes sobre o caso chocaram Hollywood e intrigaram o mundo. Por que esses garotos, que em nada correspondiam à tradicional imagem dos bandidos, realizaram crimes tão ousados?
A jornalista Nancy Jo Sales entrevistou todos os envolvidos, incluindo os pais e os advogados dos jovens, e até mesmo as celebridades que sofreram os assaltos. Em ‘Bling Ring – a gangue de Hollywood’, ela apresenta todos os detalhes de uma das quadrilhas mais audaciosas de nossos tempos.

Resenha: Pra quem achava que ia ler uma historinha sobre adolescentes mimados de Hollywood que se davam ao luxo de invadir a casa dos famosos apenas para ter roupas de grife, eu fiquei bem desapontada, e pela primeira vez isso não é uma coisa ruim.

O livro conta a história real de jovens de classe média que cometem roubos na casa de famosos de Hollywood, até ai tudo bem. Mas eles não queriam só ter as mesmas coisas que os famosos tinham, eles queriam ser os famosos, sentir o que eles sentiam, ver o mundo da forma como eles viam.

Como futura jornalista que eu pretendo ser, quero ter metade do talento da jornalista Nancy Jo Sales para descrever os fatos. Ela nos conta o cotidiano de cada jovem da gangue de um jeito rápido, mas ao mesmo tempo descritivo. A leitura flui com o passar das horas, e é um livro leve para se ler, carregado de diversas fotografias reais dos delinquentes e de algumas de suas vitimas.

Não esperava gostar tanto desse livro, de forma alguma! Só li por um único motivo: o filme. Ainda não o vi, perdi a chance de ver no cinema, porque queria ler o bendito livro primeiro, e agora que esta na lista de livros lidos, já posso colocar o filme na minha lista de filmes para assistir.

A jornalista também nos conta um pouco sobre os bastidores do filme e como o elenco foi escolhido, o que me deixou com um gostinho de quero mais. E então esse livro sobre adolescentes fúteis/ladrões de Hollywood te faz parar e refletir sobre uma coisa: até que ponto uma celebridade tem influencia sobre a sua vida?

Recomendo a leitura!

Imagem

ps: fotos para a ficha criminal dos nossos ladrõezinhos de Hollywood. Sem roupas de grife e maquiagens caras, garotas e garotos parecem apenas simples cidadães, sem influencia nenhuma do mundo das celebridades (só parecem). 

Resenha: A Culpa é das Estrelas

Imagem

Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer – a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.

Resenha: Para ser sincera, eu leria até a lista de compras de supermercado do John Green. Foi o primeiro livro do autor que eu tive a oportunidade de ler. E estou simplesmente apaixonada. Esse livro se tornou o meu Aflição Imperial (livro preferido da Hazel, muitíssimo citado no livro, e base de muitos acontecimentos). E eu nunca chorei tanto lendo um livro, ele ultrapassou totalmente meu nível de choro em Um Amor Para Recordar.

O livro é cativante do inicio ao fim e sim, vou repetir o que sempre digo, mas dessa vez com o caps ligado… ELE SE TORNOU UM DOS MEUS LIVROS PREFERIDOS haha Devo confessar que o John acabou matando a pessoa errada no final, e eu não consegui suportar isso e fiquei muito, muito zangada com ele. Mas como não posso contar o final, só posso dizer que ele matou a pessoa errada haha

Eu não sei porque, mas agora, na minha imaginação, o mundo só vai ser perfeito quando todos os seres humanos lerem esse livro com a mesma visão que eu li.

Os homens continuam afirmando que não é um livro bom, mas eu vos digo agora, isso são só eles querendo ser machões. Fãs incubados, esse é o nome certo pra isso.

Eu super recomendo, mas não me sinto a vontade falando muitas coisas sobre a história, já que qualquer detalhe pode ser considerado spoiler. Não, sério mesmo, o livro é complexo, todos os pensamentos inteligentes e intensos da Hazel e do Gus, não tem como explicar sem falar algo que revelaria algo importante da história, então o jeito é vocês lerem o livro logo (sou má demais).

Espero que gostem, se vocês já leram, o que acharam? E se for garoto, principalmente, achou tão ruim quanto a maioria dos “homens”? haha

Resenha: Rangers – Ordem dos Arqueiros (Livro 1: Ruínas de Gorlan)

Imagem

Sinopse: “Durante a vida inteira, o pequeno e frágil Will sonhou em ser um forte e bravo guerreiro, como o pai, que ele nunca conheceu. Por isso, ficou arrasado quando não conseguiu entrar para a Escola de Guerra. A partir daí, sua vida tomou um rumo inesperado: ele se tornou o aprendiz de Halt, o misterioso arqueiro, que muitos acreditam ter habilidades que só podem ser resultado de alguma feitiçaria. Relutante, Will aprendeu a usar as armas secretas dos arqueiros: o arco, a flecha, uma capa manchada e… um pequeno pônei muito teimoso. Podem não ser a espada e o cavalo que ele desejava, mas foi com eles que Will e Halt partiram em uma perigosa missão: impedir o assassinato do rei. Essa será uma viagem de descobertas e aventuras fantásticas, na qual Will aprenderá que as armas dos arqueiros são muito mais valiosas do que ele imaginava”

Resenha: Esse livro entrou imediatamente na minha lista de preferidos e também nos livros que eu não consegui mais largar depois que comecei a leitura,

Sim, admito que como todo livro que eu leio, demorei mais do que uma semana pra ler (pouco tempo, entre outras coisas), mas todo o tempo em que não estava lendo, estava pensando sobre o enredo da história ou conversando com alguém que já havia lido também.

Não existe nesse mundo pessoa mais apaixonada por histórias de época como eu (de época tipo, antigas, em um geral), e como a história de Rangers se passa em uma era medieval, com cavalheiros, arqueiros e tudo o que a época tem direito, eu me apaixonei pelo livro desde o inicio.

Sempre gostei muito de arqueiros, tanto em Narnia com a Susana, ou Jogos Vorazes com a Katniss, esse livro me fez adicionar mais dois arqueiros a minha lista de preferidos: Halt e Will.

O livro no geral, fala sobre quatro crianças órfãs, que foram criadas como protegidas no castelo, pois seus pais morreram como heróis, cavalheiros ou algo do gênero, entre elas, uma especial, é o pequeno Will, que sempre teve o sonho de entrar para a escola de guerra e se tornar um herói como ele acreditava que seu pai tinha sido (Will era o único protegido que não sabia quem eram seus pais). Mas na época da seleção, o mestre de guerra não o quis para a escola de guerra, e Will ficou tanto quanto desapontado.

Will era bom em escalar arvores, paredes, era bom em se ocultar nas sombras e andar por ai sem ser visto, e foi isso entre outras tantas habilidades que chamaram a atenção de Halt, o arqueiro do feudo, para Will.

Will vira aprendiz de Halt, como arqueiro, e a partir dai começam a acontecer coisas que mudarão a vida do jovem arqueiro para sempre.

Eu amei tanto esse livro, que sou até suspeita de falar a respeito dele com vocês, mas como me sinto na obrigação de dizer se recomendo ou não, devo dizer. Não, eu não recomendo. Por que? PORQUE É O MEU LIVRO, EU SINTO COMO SE ELE FOSSE UM MEMBRO DO MEU CORPO, E EU NÃO QUERO DIVIDIR COM NINGUÉM UM MEMBRO DO MEU CORPO hahah

Falando sério agora, eu super recomendo a leitura não só deste livro, mas como de toda a série Rangers. E ai, algum de vocês já leu? O que acharam?