Insurgente

1507898_780883775291790_2076474804135791114_n 10649887_780883781958456_57345657408887073_n10421214_780883798625121_5188744164758999542_n

Sim, isso é exatamente o que parece, eu finalmente terminei de ler o segundo livro da trilogia Divergente (depois de meses e meses de enrolação), e quem sabe agora eu volte ao meu ritmo habitual de leitura (ou pelo menos a um ritmo admissível).

Enfim, vamos ao que interessa. Como faz muito tempo que li Divergente, não posso fazer muitas comparações entre o primeiro e o segundo volume da coleção, mas no geral, insurgente possui muito mais morte, sofrimento e tristeza do que o primeiro livro, que por sua vez tem mais, ação, expectativa e novidades, já que somos recém introduzidos a todo o mundo das facções.

A história gira em torno da Tris e do Tobias, como esperado, e podemos dizer que a Tris supera todos os limites de idiotice do ser humano. Ela faz coisas idiotas e arrisca a própria vida por motivos fúteis o tempo todo.

Nesse livro descobrimos alguns traidores (que pra quem me segue no Twitter já não é mais um segredo), e descobrimos que algumas pessoas bem inesperadas podem acabar ajudando, mas principalmente aprendemos que nunca devemos menosprezar alguém, pois essa pessoa pode vir a ser mais poderosa do que a gente imagina ser possível.

Eu acho que gostei mais do primeiro livro do que do segundo, mas eu tenho mania de sempre gostar mais dos primeiros livros das coleções, então né.

Devo confessar que quando o livro acabou fiquei com muito gostinho de quero mais e já li meia página de convergente. Acho que pra mim foi uma leitura demorada mais por preguiça e falta de tempo do que pela qualidade do livro.

E então, o que dizer? Super recomendado, ainda mais pra quem leu o primeiro, gostou e pretende assistir o próximo filme!

Review || DIVERGENTE ♥

ImagemEu estava tão ansiosa para compartilhar isso ao vivo com vocês que escrevi esse review ontem mesmo, no celular, logo após sair do cinema haha. Enfim, eu preciso compartilhar isso com vocês, é como se fosse uma necessidade, ou melhor, é uma necessidade.

Assisti Divergente, como vocês podem ver, e estou simplesmente extasiada até agora. O filme foi super fiel ao livro, mesmo com a ausência de muita violência, sangue, “safadezas” etc.

Como divergente é um dos meus livros preferidos eu não esperava que o filme “satisfaze-se” as minhas expectativas, ou pelo menos não tanto quanto satisfez. Cada minuto do filme me prendeu, me cativou, me fez amar Divergente mais ainda do que eu já amava, me fez entrar em um estado de amor a primeira vista pelos atores, me fez delirar.

Me apaixonei pela Shailene, e pelo Theo então? Desejei ter aquele homem pra mim durante cada milésimo de segundo do filme (isso não é nada bom hahah). OMG!

As provas da audácia (que ainda prefiro chamar Destemor, segundo o livro) são minhas partes preferidas, alem da parte dos testes psicológicos, da cerimonia de escolha de facção (isso deve ter um nome) e do inicio da Tris na nova facção.

Eu aprendi com o tempo a não dar MUITOS spoilers e nem narrar o filme todo em um review, então não tenho muito o que falar alem do fato de que o filme é extraordinariamente perfeito e bem produzido, os atores são ótimos e o filme em si como adaptação não deixou a desejar.

SUPER MEGA ULTRA RECOMENDADO!

ImagemMeu ingresso maravilhoso era a unica coisa que me restava fotografar já que não haviam posters do filme no cinema 😦

Facebook Twitter Flickr Instagram Tumblr

Resenha | Divergente – Veronica Roth

Primeiramente, devo avisar a todos vocês que esse livro vai ativar TODAS as emoções que você tiver guardadas dentro de si, e também, que a Veronica Roth é tão má e assassina quanto todos aqueles autores que você odeia por serem tão maus.

Pra começar, devo dizer algo de grande importância nesse caso, eu sou uma pessoa muito lenta para ler, levo no mínimo uma semana para ler um livro, mas uma vez algo muito raro aconteceu, eu li Jogos Vorazes em pdf pelo computador em exatamente 16 horas, corridas. Dessa vez algo muito parecido aconteceu, só que pior, eu li Divergente em pdf, pelo celular, em apenas 2 dias. Isso é apenas para vocês terem uma ideia de quão bom e envolvente a história é.

Basicamente o livro conta a história de um futuro distópico, onde a cidade de Chicago é divida em facções, são elas: Amizade, Sinceridade, Abnegação, Erudição e Destemor.

Em poucos casos, membros de uma facção entram em contato com membros de outra facção, isso basicamente só ocorre no governo. Cada facção é encarregada de uma tarefa na cidade, proteção, governo e derivados.

Mas o mais importante a ser citado, é que toda criança, ao completar seus 16 anos, tem o direito de escolher a qual facção ela quer pertencer. Não importa em qual você nasceu, se não se sente bem, ou não se sente merecedor de estar nela, pode mudar livremente, com a noção de que nunca mais verá sua família de novo.

Cada facção tem um processo de iniciação para seus “novatos”, que consiste em três etapas de provas/desafios pelos quais eles tem que passar para provar que são bons o suficiente para serem membros da facção. Caso o contrário eles se tornam “sem-facção”, ou seja, membros rejeitados, os mendigos de atualmente, sem casa, sem comida, sem emprego, sem nada.

Tudo estava indo perfeitamente bem, até Beatrice (Tris), mudar de facção, da Abnegação para o Destemor, e ai tudo começa a mudar de rumo. Em uma certa parte da trama você vai descobrir finalmente o que é Divergente, e porque nossa Tris é uma, não só ela, como também muitos outros personagens ligados a ela, vai descobrir porque ser Divergente é tão perigoso, e porque isso vai definir o futuro de toda a história. Vocês vão conhecer Quatro, o segundo personagem mais importante de todos, o instrutor das atividades da facção Destemor, mas ele não é só isso.

A dor de cada personagem vem até você de uma forma inacreditável, e tudo que eu quis durante todo o livro, foi poder entrar na história e ajudar a salvar todas aquelas vidas, ajudar a evitar a dor, o sofrimento. Antes de terminar o post, só queria admitir uma coisa: eu nunca conseguiria ser tão forte, tão destemida, corajosa e resistente como a Tris foi, ainda mais depois da página 200! hahah

Se eu recomendo esse livro? Não, acho que não, porque o livro é tão bom, que eu quero que a história seja só minha, quero guarda-la no meu pensamento, e nunca mais esquecer (brincadeira, é claro que eu recomendo hahah). E outra coisa, eu chorei muito depois da página 200 também 😦

 ps: nunca estive tão ansiosa por um filme em toda a minha vida.

Imagem