Resenha | Inacreditáveis – Pretty Little Liars #4

Como citado na resenha do terceiro livro da série, Hanna sofre uma tentativa de assassinato por parte de -A, perdendo a memória por algum tempo.

Emily é mandada para o fim do mundo morar com os tios, porque seus pais a pegaram com Maya (Maya é sua namorada, não sei se já citei isso). Ela passa por uns problemas bem bizarros no interior, mesmo sem -A, ela descobre que pessoas de verdade também podem ser muito más. Ela volta, pede perdão aos pais, que a aceitam, ela volta com Maya, mas uma ‘peguete‘ do interior aparece de repente e acaba quebrando toda a relação delas.

Aria, que ainda esta brigada com a mãe, que ferrou com seu namoro com o Sean e etc, é forçada a morar com o pai e com a namoradinha, que acaba anunciando em um certo dia, que esta gravida e que esta pensando em marcar a data do casamento deles (Aria é uma das mais perdidas, coitada).

Spencer e Mona planejam juntas uma festa de melhoras para a Hanna, que morre de felicidade ao ver as duas amigas trabalhando juntas. Nesse meio tempo Spencer descobre que Mona também vinha recebendo mensagens de -A (que ilusora)!

Aria conta sobre -A para a polícia… LIKE… WHAT? Enfim, ela também conta para a Jenna que o acidente foi culpa delas, e Jenna revela que já sabia de tudo e que era um plano desde o inicio para dar uma lição no Toby.

Spencer começa a confiar demais na Mona, contando pra ela todos os seus problemas, com garotos, com a imã e com os pais. Até que uma revelação a deixa totalmente chocada (na verdade todos ficamos)!

Esse é um daqueles livros que te fazem realmente gostar de uma série. Mesmo com a minha dificuldade de lembrar qual parte da história é de qual livro da coleção, nunca me esqueço que essa GRANDE revelação é de Inacreditáveis! A leitura é brevemente melhor do que a dos outros livros da série, e eu super recomendo!

4 a

4 e

4 c

4 f

4 d

4 b

Resenha | Perfeitas – Pretty Little Liars #3

Duas resenhas em um dia só? Exatamente, peguei um pouco o ritmo hoje já que passei os últimos dias sem aparecer.

Voltando ao universo little liar, Aria esta mais ferrada do que nunca, após a briga com sua mãe ela acaba sendo forçada a pedir abrigo a seu atual namorado, Sean (pra quem assiste a série, SIM, ELA NAMOROU O SEAN). Mas tudo vai água abaixo quando ela tem a brilhante ideia de continuar encontrando com Ezra as escondidas (isso da em um verdadeiro desastre).

Emily por sua vez teve outra brilhante ideia: contar a policia sobre -A. E é claro que -A não deixaria por isso mesmo, então, finalmente, contou para o mundo todo sobre sua homossexualidade. Seus pais, surtam, é lógico, e dizem que se ela não entrar em um programa anti-gay bem esquisitinho, eles a mandarão embora.

Spencer como boa mentirosa que é, é indicada a um prêmio acadêmico devido a um trabalho que ela roubou de sua irmã, e isso gera uma confusão digna de um livro todo, assim como brigas familiares, tapas e até mesmo muitas lagrimas. Além desse fato marcante da história, o segundo ponto principal também gira entorno da ‘Spenc’, ela descobre que tem apagões por alguns intervalos de tempo, e começa a desconfiar que pode ter matado sua melhor amiga Alison.

Hanna é mais humilhada do que tudo nesse mundo, briga com a Mona durante praticamente o livro todo e finalmente descobre um interesse romântico no meu amadinho Lucas (na série, eu sempre shippei os dois loucamente). Quando ela é humilhada pela melhor amiga (Mona, no caso), ela recebe uma mensagem de -A, que por sua vez esqueceu de colocar número confidencial, possibilitando que Hanna reconhecesse o número. E adivinhem… -A tenta matar ela, é claro, garantindo que ela esqueça de tudo o que sabia!

Mesmo parecendo MUITO, isso não é nem 1/3 da história do livro. Como todo o restante da coleção, não tem como não recomendar a leitura de Pretty Little Liars, então como de costume: Eu recomendo! hahah ♥

3 f

3 a

3 d

3 b

3 c

3 e

Resenha | Impecáveis – Pretty Little Liars #2

Olá! Então hoje estou aqui FINALMENTE com a resenha do segundo livro da série Pretty Little Liars, Impecáveis. Depois de tanto tempo eu já esqueci algumas coisas, mas aqui vai o básico pra vocês.

Nesse segundo livro da série (que eu já li a muitos anos, então fica difícil de resenhar haha), as coisas ficam um pouco mais profundas do que eram no primeiro livro.

As meninas continuam recebendo mensagens de -A, e estão mais determinadas do que nunca para descobrir quem anda mandando as mensagens de texto. No inicio elas tinham certeza que era Alison, e que só a mesma sabia de tantos segredos delas, mas com o tempo elas começaram a levantar outras suspeitas, como Toby, que era o único que sabia sobre o acidente com a Jenna, que estava sendo bastante comentado nas mensagens de texto enviadas por -A.

Aria esta com a corda no pescoço, sendo pressionada por -A durante todo o tempo para contar para a mãe sobre o caso de seu pai com uma aluna. Hanna é humilhada publicamente e Emily vai a um baile com Toby, onde acaba revelando pela primeira vez sua opção sexual. Já Spencer, como sempre roubando os namorados da irmã, acaba indo “longe demais” com um deles, que depois do acontecimento volta com a Melissa e some no mundo.

Toby acaba fazendo uma coisa que marca muito a vida das Liars e as deixa muito abaladas, mas que como aprendi a não dar spoilers, vocês só descobrirão lendo o livro hahah.

2 f

2 a

2 d

2 b

2 e

2 c

Resenha | O Teorema Katherine

Olá, então, finalmente depois de tanto tempo terminei de ler O Teorema Katherine e resolvei vir aqui resenhar, é claro!

O livro conta a história de Colin Singleton, jovem garoto prodígio que sonha em ser um grande gênio.

Conlin já namorou 19 garotas, das quais todas se chamavam Katherine, das quais também, todas terminaram com ele.

Um dia, depois de romper com seu grande amor, a K-19, Colin decide pegar seu unico e melhor amigo, Hassan, e sair estrada a fora em uma aventura de verão.

Depois de alguns dias, eles veem uma placa anunciando que em uma cidadezinha chamada Gutshot havia o tumulo de um lorde, ou algo do gênero, e Hassan resolve que eles definitivamente precisavam visita-lo.

A partir dai tudo começa a mudar. Eles conhecem Lindsey, que é filha da Hollis, que é dona do unico negocio da cidade, que também é viciada em reality show’s, dos quais Colin participara uma vez por ser um “grande” prodígio. E depois de tantas conexões, Hassan e Colin acabam se hospedando na casa de Hollis, e usando aquele verão para mudar suas vidas.

O Teorema Katherine é um ótimo livro, comparado aos outros livros do Green que eu já li (ACEDE e Quem é você, Alaska?) sua posição ficaria entre 2° e 3° lugar, logo abaixo de Quem é você, Alaska?, é claro.

Eu super recomendo e sem duvidas esse seria um dos livros que por acaso um dia eu releria (é uma pena que eu não tenho o habito de reler nenhum livro hahah).

a

b

c

d

e

Resenha | Bela Maldade

Vamos direto ao assunto, sem enrolação: esse é sem dúvida o livro mais horrível que eu já li!

Não existe outra palavra que descreva melhor essa história do que HORRÍVEL. Mas não se preocupem, não é o horrível que você esta pensando, porque pelo contrario da palavra, o livro é simplesmente magnifico, o enredo, os personagens, a história em si, tudo é muito bem detalhado e escrito, o que acaba deixando o livro mais “horrível” ainda.

O livro conta a história de Katherine Paterson, antiga Katie Boydel. No passado Katherine passou por um grande trauma quando perdeu sua irmã mais nova em um ‘incidente’ horrível (contado detalhadamente e dolorosamente, mais tarde), e depois disso ela nunca mais se sentiu capaz de ser feliz. Devido ao incidente Katherine decidiu mudar de nome, abandonando o sobrenome Boydel e o nome Katie, e também optou por mudar de cidade e ir morar com a tia, bem distante de toda a tragédia e seus precedentes.

Depois de algum tempo em uma nova escola, ela conhece uma linda garota chamada Alice, que transforma como em um passe de mágica, sua até então miserável vida, em algo alegre e descontraído. Mas Alice não é o que Katherine esperava. O prologo do livro te da o pior Spoiler do universo, o qual eu fiquei realmente decepcionada ao ler, mas como é o prologo e você não precisa nem ler o livro para ler o prologo, posso contar esse detalhe: Alice morre. Tendo isso em mente você pode saber que tudo de mal que ela fizer será compensado mais tarde, mas isso não diminuirá sua raiva.

Alice trás coisas maravilhosas para a vida de Katherine, mas também desenterra os piores sentimentos, dores e medos que ela já deve durante toda a sua vida.

O livro se desenrola de uma forma meio confusa, mas totalmente compreensível, de uma forma dolorosa, e totalmente injusta. Minha autora mais odiada no momento, sem dúvida alguma é Rebecca James, por ser tão sangue frio, cruel e sem coração.

Além de todo o sofrimento evidente que você vivenciara lendo esse livro, eu recomendo a leitura, mas confesso que pode acabar sendo uma leitura torturante.

ImagemImagemImagemImagem

Resenha | Quem é você, Alasca?

Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa, e ela furacão.

Vou começar admitindo que esse livro me fez entrar em depressão, sentir toda a angustia e dor de uma perda, chorar um dos choros mais sofridos da minha vida, e me fez revelar sentimentos que nem eu sabia que tinha.

Se você se emocionou com “A culpa é das estrelas” (que já tem resenha no blog), espere até ler Quem é você, Alasca?

Ele é envolvente e divertido, detalhista em todos os aspectos possíveis e super emocionante, como todos os outros livros do Green, ele te faz sentir cada emoção, cada dor e cada sofrimento de cada personagem, desde os principais, até os “figurantes”.

Não posso contar grandes detalhes, já que com o tempo aprendi que resenhas não devem ser “resumos” dos livros, mas sim algo que deixe a pessoa interessada na leitura, e não o contrario. Então o básico, digamos assim, seria que o Miles é super viciado em ultimas palavras, ou seja, ele sabe as ultimas palavras de basicamente toda pessoa famosa que já morreu. Um belo dia ele decide abandonar sua vida pacata e ir para um colégio interno em busca do Grande Talvez da sua vida.

Lá ele conhece Alasca Y., Coronel, Takumi e Lara (sua futura namorada, depois, ex-namorada), que se tornam seus melhores amigos.

Alasca é bipolar (no sentido figurado da palavra), histérica, mas ao mesmo tempo sedutora, inteligente e boa amiga. Ela tem muitos mistérios e coisas que ela nunca contou nem mesmo ao Coronel, seu melhor amigo, e alguns desses segredos acabam se revelando durante a leitura, e acabam sendo de grande importância para eventos futuros.

O que eu posso dizer alem disso? Posso dizer que sem duvida foi um dos melhores livros que eu já li, e que com certeza foi um bom investimento (mesmo que eu tenha pagado menos de 20 reais haha), eu recomendo mais do que qualquer outro livro que já resenhei antes, do fundo do meu coração machucado!

Tenham uma ótima, maravilhosa, sofrida leitura 🙂

Imagem

Resenha | Poderosa #1 (Sérgio Klein)

ImagemEu li esse livro quando estava aproximadamente no quinto ano do ensino fundamental, e simplesmente me apaixonei. Além de ser uma escrita leve e rápida, as páginas do livro ainda são super macias e te dão um certo “conforto” na hora de realizar a leitura.

A escrita do Sérgio é super agradável e fácil de se entender, e ele conseguiu focar muito bem na vida de um pré-adolescente, fazendo até os adultos entenderem todos os problemas e as dificuldades da Joana.

A Joana Dalva, personagem principal, é uma garota formidável, engraçada, divertida e acima de tudo uma ótima amiga. Seu nome foi escolhido através de um acordo entre sua mãe e seu pai, a mãe, queria que fosse Joana, devido a sua figura preferida da história, Joana D’Arc, e o pai por sua vez queria que fosse Dalva para homenagear sua mãe que acabara de falecer.

Depois de escrever um trabalho para escola sobre Joana D’Arc, Joana descobre que tem um poder em mãos. Como o próprio titulo do livro diz, ela tinha o mundo na mão, e consequentemente tudo que ela escrevia se tornava realidade.

A partir desse momento a vida de Joana sofreu uma reviravolta. Ela usou seus novos “poderes” para resolver simples problemas do dia a dia de uma pré-adolescente, mas também para ajudar os pais e amigos em situações bem ruins, as vezes causando até mais problemas.

Eu amei o livro completamente, achei a diagramação perfeita e o fato de ser impresso em papel couché ajudou muito, ao contrario do que muitos falam, já que isso acabou deixando o livro mais pesado.

Apesar de tudo o livro é magnifico e eu super recomendo, principalmente para crianças a partir dos 10 anos de idade!

Resenha | Maldosas – Pretty Little Liars #1

Rosewood é uma cidadezinha no interior dos EUA, mais especificamente no estado da Pensilvânia, com bairros normais, escolas normais e pessoas normais, é claro, com suas exceções.

Em Rosewood Day, a escola particular de Rosewood, um grupo de garotas lideradas pela eterna rainha Alison DiLaurentis, é especialista em manter segredos, fazer fofocas e tornar a vida dos outros em um verdadeiro inferno. Esse grupo é composto por Aria Montgomery, Emily Fields, Spencer Hastings e Hanna Marin.

Tudo muda na cidadezinha quando a lider do grupo, Alison, desaparece misteriosamente. Alison era a tipica garota arrogante que faz o que quer e faz todos ao seu redor fazerem o mesmo, e por isso ela tinha muitos inimigos.

Três anos após o desaparecimento, Aria estava voltando para Rosewood após morar por algum tempo na Islândia, para onde sua família resolveu se mudar para “ajuda-la” a superar o problema com Ali. No seu primeiro dia de aula, ela reencontra suas ex-melhores amigas, e descobre que ela não foi a unica a mudar, e que também não foi a unica a não manter contato com as amigas.

Nenhuma das quatro garotas mantem contato entre si, até que misteriosamente elas começam a receberem mensagens aterrorizantes, contendo alguns de seus maiores segredos, de uma pessoa anonima, que se auto denominava -A. No inicio elas desconfiaram que -A fosse Alison, mas ela estava morta… não estava?

Maldosas é o primeiro livro da série Pretty Little Liars, que como a maioria de vocês deve saber, também possui uma série de televisão. Como uma grande fã da série, eu tenho orgulho de dizer que li o livro antes de começar a assistir, quando a série ainda estava em seus primeiros episódios (sim, isso faz MUITO tempo mesmo). E mesmo contendo histórias e enredos totalmente diferentes, acabei virando fã da série de TV e dos livros.

Devido aos nomes e capas TOTALMENTE femininos e adolescentes muitas pessoas acabam dispensando a leitura, mas por experiencia propria eu digo que a leitura vale muito a pena. Os mistérios, os assassinatos e sim, até a pitada de romance, tudo é absolutamente bem expressado nessa série. Então como já era esperado, eu super recomendo a leitura!

1 a

1 c

1 e

1 d

atualizado no dia 24.05.14

Resenha | Divergente – Veronica Roth

Primeiramente, devo avisar a todos vocês que esse livro vai ativar TODAS as emoções que você tiver guardadas dentro de si, e também, que a Veronica Roth é tão má e assassina quanto todos aqueles autores que você odeia por serem tão maus.

Pra começar, devo dizer algo de grande importância nesse caso, eu sou uma pessoa muito lenta para ler, levo no mínimo uma semana para ler um livro, mas uma vez algo muito raro aconteceu, eu li Jogos Vorazes em pdf pelo computador em exatamente 16 horas, corridas. Dessa vez algo muito parecido aconteceu, só que pior, eu li Divergente em pdf, pelo celular, em apenas 2 dias. Isso é apenas para vocês terem uma ideia de quão bom e envolvente a história é.

Basicamente o livro conta a história de um futuro distópico, onde a cidade de Chicago é divida em facções, são elas: Amizade, Sinceridade, Abnegação, Erudição e Destemor.

Em poucos casos, membros de uma facção entram em contato com membros de outra facção, isso basicamente só ocorre no governo. Cada facção é encarregada de uma tarefa na cidade, proteção, governo e derivados.

Mas o mais importante a ser citado, é que toda criança, ao completar seus 16 anos, tem o direito de escolher a qual facção ela quer pertencer. Não importa em qual você nasceu, se não se sente bem, ou não se sente merecedor de estar nela, pode mudar livremente, com a noção de que nunca mais verá sua família de novo.

Cada facção tem um processo de iniciação para seus “novatos”, que consiste em três etapas de provas/desafios pelos quais eles tem que passar para provar que são bons o suficiente para serem membros da facção. Caso o contrário eles se tornam “sem-facção”, ou seja, membros rejeitados, os mendigos de atualmente, sem casa, sem comida, sem emprego, sem nada.

Tudo estava indo perfeitamente bem, até Beatrice (Tris), mudar de facção, da Abnegação para o Destemor, e ai tudo começa a mudar de rumo. Em uma certa parte da trama você vai descobrir finalmente o que é Divergente, e porque nossa Tris é uma, não só ela, como também muitos outros personagens ligados a ela, vai descobrir porque ser Divergente é tão perigoso, e porque isso vai definir o futuro de toda a história. Vocês vão conhecer Quatro, o segundo personagem mais importante de todos, o instrutor das atividades da facção Destemor, mas ele não é só isso.

A dor de cada personagem vem até você de uma forma inacreditável, e tudo que eu quis durante todo o livro, foi poder entrar na história e ajudar a salvar todas aquelas vidas, ajudar a evitar a dor, o sofrimento. Antes de terminar o post, só queria admitir uma coisa: eu nunca conseguiria ser tão forte, tão destemida, corajosa e resistente como a Tris foi, ainda mais depois da página 200! hahah

Se eu recomendo esse livro? Não, acho que não, porque o livro é tão bom, que eu quero que a história seja só minha, quero guarda-la no meu pensamento, e nunca mais esquecer (brincadeira, é claro que eu recomendo hahah). E outra coisa, eu chorei muito depois da página 200 também 😦

 ps: nunca estive tão ansiosa por um filme em toda a minha vida.

Imagem